quarta-feira, 15 de novembro de 2017

Ainda há pessoas boas

Fui à máquina dispensadora de comida aqui do trabalho para ver o que havia para o meu lanche.
Escolhi uma banana, meti dinheiro a mais e esperei.
Saiu a banana e eu, perdida nos meus pensamentos, vim-me embora.
Estava já noutra porta de outro edifício à espera de elevador para subir, quando entra a senhora da limpeza:
- Alguma das senhoras acabou de sair da máquina?
veio-me logo à lembrança que não tinha esperado pelo troco.
- Eu! - respondi - Esqueci-me do troco, não foi?
E lá me estendeu ela a mão, com as moeditas que tinham sobrado, toda feliz da vida por ter encontrado o dono do dinheiro.
Possa, que ainda há pessoas boas nesta terra. Uma senhora humilde, que vive a vida a trabalhar que nem uma moura nas limpezas diárias, e deu-se ao trabalho de ir à procura de quem se tinha esquecido do dinheiro na máquina.
Por que será que é nestas pessoas mais humildes que encontro mais pureza e honestidade?
Este mundo está virado do avesso!

Obrigada, minha querida senhora da limpeza (que tem nome, e eu sei qual é, mas não o vou aqui colocar)

segunda-feira, 13 de novembro de 2017

Pataniscas de legumes

Olá,
Vi esta receita na net, salvo erro no facebook, e achei logo que era para experimentar. Porque eram fáceis de fazer, rápidas e saudáveis, dado que nem são fritas em óleo, mas sim feitas como as panquecas, apenas com a frigideira untada com azeite. Ficaram muito boas e, apesar de só terem legumes, até os miúdos as devoraram.

 

Ingredientes (para cerca de 12 panquecas):

1 cebola pequena picada
2 cenouras médias raladas
1 curgete ralada
2 C.Sopa coentros picados
2 ovos
2 C.Sopa farinha
Sal e pimenta q.b

Misture a cebola, a cenoura, a curgete e os coentros numa tigela. Junte os ovos e mexa bem. Junte depois a farinha de forma a que a mistura fique ainda bastante húmida. Tempere com sal e pimenta a gosto.
Numa frigideira anti-aderente, unte o fundo com azeite, deixe aquecer e, com a ajuda de uma colher de sopa, vá deitando um pouco do preparado formando um círculo. Quando estiver a solidificar, vire para o outro lado com a ajuda de uma espátula.

Sirva com arroz ou uma salada mista. Eu até as levei para o trabalho num tupperware, num dia em que tinha pouco tempo para almoçar.

Bom apetite!

domingo, 5 de novembro de 2017

Camarão com quinoa

Esta receita saiu do cadal mistério. E dado que me pareceu bastante simples, serviu para um jantar de sábado em que, a única coisa que me apetecia, era ficar assolapada no sofá.
Ficou uma receita bastante agradável, com sabores diferentes para voltar a repetir. Atenção ao camarão que usam, que tem de ser bonzinho.

 

Ingredientes (para 3 pessoas):

Camarão já descascado, cerca de 20 unidades e de um tamanho grande
Quinoa para 3 pessoas
Azeite q.b.
1 malagueta pequena (opcional)
1/2 cebola picada
3 dentes de alho picados
Pimenta q.b.
Sal q.b.
1 caldo de galinha
1 limão
Salsa picada q.b.

Numa frigideira larga aqueça o azeite e junte o camarão. Tempere com sal e a malagueta, e deixe saltear uns 3 minutos até que o camarão fique com uma cor alaranjada. Não deixe cozinhar demais, pois isso será crucial para o prato ficar bom. Retire os camarões para um prato. Junte mais um pouco de azeite à frigideira e junte a cebola até ficar macia. Junte os dentes de alho e refogue mais um pouco. No final junte a quinoa, junte o sal e a pimenta, e deixe cozinhar alguns minutos. Junte agora o caldo de galinha e deixe ferver. Deixe agora cozinhar cerca de 15 a 20 minutos em lume brando.
Destape e mexa com um garfo. Junte a raspa do limão, seguida do sumo de limão e da salsa.
Envolva tudo e junte o camarão. Volte a envolver e polvilhe com mais um pouco de salsa picada.

Bom Apetite!






segunda-feira, 30 de outubro de 2017

Hype Market

Já é a segunda vez que lá vou, na Av. da Igreja e não me arrependo.
Várias marcas, muitas que só vendem via Facebook e afins, com peças giríssimas, originais e sempre na moda. Nota-se aquele amor que as pessoas colocam nos produtos que estão a vender, e torna-se também mais agradável a interação com os vendedores e com o ato da compra propriamente dita. 
Tem sempre bastante gente, mas não demasiada. Anda-se lá muito bem, o local é espaçoso mas não gigante, e uma hora dá para ver tudo com calma. Só é pena o espaço ser dentro de uma garagem, o que confere sempre aquele ambiente com um cheiro geral a combustível, o que, passado uma hora, confesso que me começa a agoniar. Mas da minha visitinha de sábado, trouxe duas peças lindas e fofas que passo a mostrar:
Estas jardineiras fofíssimas que combinam lindamente com ambiente de fim de semana, e uma blusa de flores completamente alinhada com as tendências desta estação.

 

 

segunda-feira, 23 de outubro de 2017

Rotolo de abóbora e espinafres

Esta receita é do Jamie Oliver. Depois de a ver na TV, não resisti a experimentar rapidamente, dado o excelente aspecto que tinha, e por ser também um prato vegetariano.
Ficou muito bom, mas para a próxima, em vez de usar polpa de tomate, vou fazer mesmo um molho com tomate fresco para ver se fica um molho menos adocicado.

 

Ingredientes:

1 abóbora manteiga
1 cebola roxa
500g de espinafres congelados
Sal e pimenta q.b.
6 a 8 folhas de massa fresca para lasanha
3 dentes de alho
Noz moscada q.b.
Azeite q.b.
Orégãos q.b.
700 ml de polpa de tomate ou molho de tomate caseiro
Queijo feta q.b para esfarelar
Queijo parmesão q.b.

Comece por colocar a abóbora a assar, cortada ao meio, durante 1h30 a 180 graus.
Num tacho, deite a cebola roxa cortada aos pedacinhos, regue com um fio de azeite, e leve a refogar alguns minutos. Junte os espinafres, e deixe cozinhar cerca de 10 minutos ou até o líquido evaporar. Reserve e tempere com sal, pimenta e noz moscada.
Quando a abóbora estiver assada, retire do forno e, com a ajuda de uma colher, retire a polpa que deve já desfazer-se. 
Esmague-a com a ajuda de um garfo, e tempere com sal, pimenta e noz moscada.
À parte, pique os dentes de alho e refogue-os em azeite. Junte a polpa de tomate, tempere com sal, pimenta e orégãos e deixe cozinhar em lume brando cerca de 15 minutos.
Agora vamos montar o preparado.
Estenda as folhas de lasanha na bancada e cubra cada uma com uma camada de abóbora, outra de espinafres e, por cima, esfarele um pouco de queijo feta.
Enrole a massa como se estivesse a fazer uma torta. Corte-a em 3 ou 4 pedaços.
Num pirex, verta o molho de tomate e disponha estes rolinhos ao lado uns dos outros. Polvilhe com queijo parmesão ralado e leve ao forno cerca de 40 minutos a 180 graus.
Sirva com uma salada mista e, bom apetite!



quarta-feira, 11 de outubro de 2017

Há esperança neste nosso cantinho

Há esperança!
Apesar de ter chegado a pensar que isto não ia a lado nenhum, hoje voltei a ter esperança.
Foi finalmente concluída a acusação do processo Marquês. E que acusação, meu Deus!!!
Estava à espera de muita porcaria, mas confesso que não esperava tanto. Aquilo foi o esgoto inteiro. Aquela gente mandava no País, senhores!
Era a quem estávamos entregues, a esta escumalha, alguns até cheios de boas recomendações na sociedade portuguesa. Que horror!
31 crimes? E mais 20 ou 12 ou 9?
Mas esta gente cometia um crime como quem vai ali ao restaurante e já vem? A sério, a ser tudo verdade (que ainda muita água há-de correr), isto tem de ser exemplarmente punido. Portugal não pode continuar a pensar que esta gente pode cometer crimes destes e andar por aí à vontade, porque é gente importante socialmente falando.
Eu tenho esperança. Muita! E, ao contrário de muita gente, acredito que se vai fazer justiça. 
Viva Portugal! E vivam os valores que têm de voltar novamente a ser valorizados nas pessoas.

segunda-feira, 2 de outubro de 2017

Da Ryanair e outros que tais ...

Acho esta história que se está a passar com a Ryanair, linda, linda, linda.
E não, não estou a ser irónica, nem tenho um toque qualquer sádico que me torne feliz em ver milhares de pessoas sem viagens por terem sido canceladas. São negócios que se tornam mais difíceis de fazer, famílias que ficam por se ver, viagens de férias adiadas ou estragadas. Todo um rol de situações de deixar qualquer um à beira de um ataque de nervos. Mas a Ryanair andava a pedi-las há muito tempo. 
É certo que não trabalho lá e não conheço os problemas na primeira pessoa, mas vou fazendo os meus juízos de acordo com o que vai saindo para a comunicação social dos relatos de quem vive a história bem de perto. 
O sr. Michael O'Leary abusava demais. Era o combustível sempre nos mínimos para o avião pesar menos e terem menos custos, tripulação com o mínimo de elementos, trabalho sem os devidos descansos obrigatórios, conceito de autocarro num avião, enfim.., muitas aterragens de emergência foram feitas à custa dos limites do combustível, e muita água correu à conta da suposta falta de segurança que tem, indubitavelmente de pautar, numa indústria do género.
A Ryanair era caso de estudo nas universidades de gestão por ser, supostamente, um caso de sucesso num mercado altamente competitivo. Pois é meus amigos. Mas as conclusões foram tiradas cedo demais. O regime praticado pelo sr. Michael O'Leary aproximava-se da escravatura. Era o vale tudo à conta de salários mais baixos, trabalho até aguentarem, segurança nos mínimos obrigatórios. Só que um dia as pessoas quebram, e deitam a toalha ao chão. Tanto abusou que agora os voos cancelados são aos milhares, e uma imagem que muito dificilmente se irá endireitar.  Este senhor joga no mesmo campeonato que uns certos senhores da Altice, que vêm para os jornais dizer que não gostam de pagar salários e que tentam sempre dar o mínimo possível. 
Eu cá, estou muito feliz com o que se está a passar na Ryanair. Estas pessoas não podem ser premiadas pela sociedade, mas sim esmagadas, afastadas, excomungadas. Não podemos aceitar a política do vale tudo, enterrar os nossos valores e não ter um mínimo de dignidade humana pelos trabalhadores.
Clap, clap, clap para o pessoal desta companhia que teve a coragem para dizer "Basta!!!"
E devíamos todos dizer o mesmo a todas as situações do mesmo género. Não sou nenhuma sindicalista, nunca o fui, e provavelmente nunca o serei. Mas para além de todos os deveres também temos direitos. Como trabalhadores e, acima de tudo, como cidadãos.

terça-feira, 26 de setembro de 2017

Conversas com Ele

Ele: Mãe, o professor de Fisico-Química, decorou logo o meu nome. Quando pus o dedo no ar, já sabia quem eu era e chamou-me logo pelo nome.
Eu: Ah sim, então porquê?
Ele: Porque eu sou muito marcante!


lol.... haja ego, que ele por vezes falha-nos e é uma chatice... eheheh

segunda-feira, 25 de setembro de 2017

7 Anos de blog

E este blog fez 7 anos na 6ª feira e eu, confesso, esqueci-me.
Esta minha cabeça.....
É verdade que também tenho sido bem menos assídua aqui nos últimos tempos, mas acho que o meu cérebro anda a fazer black out a tudo o que se possa parecer com tarefas de rotina.
Ando sem a mínima vontade de cozinhar (apetece-me sempre já ter a comidinha feita), não consigo nem ouvir falar da roupa, não me apetece ligar o computador ao final do dia para o que quer que seja.
Espero que seja uma fase, dado que tenho consciência de que já cá deveria ter vindo contar umas coisas. Mas o tempo depois vai passando, passando, e entretanto acabo por achar que já não faz sentido.
Mas sim, não tenho sido vossa amiga o suficiente.
Tenho de vir cá contar mais novidades, mas desabafos, mais histórias, mais experiências, mais tudo.
Obrigada a quem continua ainda aí desse lado. Eu vou gostando de ver as estatísticas e de ter feedback vosso.
Um bem haja a todos.


domingo, 17 de setembro de 2017

Este nosso país.....

Tem tanta coisa maravilhosa...
Esta imagem aqui diz-me quase tudo: Mar, praia, sol, sossego, paz...
Tanto do que preciso para ter algum equilíbrio mental.
Tirei esta foto hoje, dia em que completo 42 anos de vida. Já vão sendo uns quantos, e cada vez mais preciso de ir ao encontro daquilo que realmente me faz feliz. O dia a dia mata-me, acho que todos os dias, um bocadinho.
Se não são estes balões de oxigénio para me dar fôlego.... ai, vida!!!

 

terça-feira, 5 de setembro de 2017

Pseudo-empadão de restos

Olá!
Chamo-lhe "pseudo" porque não leva o normal puré ou arroz a envolver a carne.
Esta receita foi inspirada no amigo de sempre - Sá Pessoa - que nunca me deixa ficar mal. E aos restos de várias carnes que rastejavam pelo frigorífico (1 bife de peru, 1 resto de peito de frango assado, e 2 bifanas de porco) saiu este maravilhoso prato, muito apreciado pela criançada.





























Ingredientes (Para 4 pessoas):

Restos de carne (já acima identificados)
1 linguiça
2 batatas doces
margarina, leite, noz moscada e farinha para o bechamel
coentros picados q.b
queijo mozarela ralado
azeite q.b

Comece por picar todas as carnes (incluindo a linguiça num processador ou picadora)
Descasque as batatas doces, corte-as às rodelas e coloque-as num tacho a cozer em água com sal.
Quando estiverem cozidas, saltei-as em azeite numa frigideira para ficarem douradinhas.
Disponha-as no fundo de um pirex para ir ao forno e, por cima, polvilhe alguns coentros.
Por cima, deite as carnes picadas.
À parte, faça o molho bechamel com a margarina, o azeite e a farinha. Junte uma pitada de noz moscada. Faça uma boa quantidade para ficar bem envolvido na carne.
Quando estiver pronto, disponha sobre a carne picada e polvilhe depois com o queijo ralado.

Leve ao forno pré-aquecido a 200 graus, para gratinar cerca de 20 minutos.

sirva acompanhado de uma salada mista.

Bom Apetite!

domingo, 27 de agosto de 2017

Hoje viajei 30 anos no tempo

Hoje foi dia de acabar as férias de verão lá para as bandas algarvias ... ohhhh!
E como temos de sair sempre por volta das 12h, costumamos almoçar por lá e só depois vimos para Lisboa (há que prolongar o prazer pelo maior tempo possível).
E desta vez calhou irmos almoçar a Albufeira. Depois da barriguinha cheia, fomos dar uma volta e, logo ao subir uma rua, achei que conhecia aquelas casas. Olhei com um pouco mais de atenção, e vi-me no beco onde passei férias cerca de uns 3 anos seguidos, quando tinha uns 8 a 10 anitos.
Alugávamos um quarto em casa de uma senhora que tinha uma casa enorme, e íamos fazer as refeições à Inatel (que ainda era num edifício antigo).
Como a dona da casa tinha uma filha da minha idade, a Teresa, acabava por ir todos os dias para a praia connosco e passávamos a tarde a jogar às cartas e em brincadeiras com ela e com as vizinhas do beco. Eu, o meu irmão e uma data de outros miúdos fazíamos um grupo de amigos enorme e, da parte da tarde, já íamos todos juntos para a praia sem os pais (outros tempos).
Que memórias, caraças. Já se passou tanto tempo, tanto.
E hoje deu para perceber que, pelo facto de se ter já mais de 40 anos, as memórias de infância são já bem longínquas, e dá bem para avaliar o quanto já passou uma vida. Bolas! Já é muito tempo lá para trás. 
Já agora, a casa tinha um cartaz a dar a indicação de "Vendido", pelo que as donas antigas já não devem lá morar. Que será feito delas?
Beco do Sul, Albufeira.
Gostei tanto de te voltar a rever :)

 

quinta-feira, 10 de agosto de 2017

Socorro! O meu filho já usa desodorizante

Foi a semana passada que dei conta de algo diferente.
Vínhamos da sua aula semanal de ténis e passámos pelo supermercado antes de ir para casa. Ao sair do elevador, levantou os braços para abrir a porta e cheirou-me a suor. Como só estávamos os 2 no elevador pareceu-me vir dele, mas nem queria acreditar. Mandei-o parar, fui cheirá-lo debaixo dos braços e ia-me dando uma coisa. Este rapaz, de 11 anos e meio, cheirava a sovaco tal e qual um adulto. Ainda não tinha dado conta de nada, continuava a achar que era um menino, uma criança cujo suor ainda é tão inocente como o seu dono.
Mas não, as coisas mudaram. Ainda que seja um menino sem quaisquer pilosidades derivadas da puberdade (e aí a minha admiração pelo sucedido), as hormonas estão a começar a funcionar. E cheiram.
Disse-lhe que da próxima vez que fossemos à médica, eu ia perguntar-lhe que tipo de desodorizante haveria de usar. Mas não consegui esperar. No dia seguinte, novamente o cheiro me invadiu as narinas e eu optei por lhe colocar o meu desodorizante à frente. Como também mando vir da Net os meus, que são pouco agressivos, vai ficar assim até eu falar com a médica.
Oh senhores, mais um gasto, mais uma etapa.
Não sei se está na idade certa, se adiantado ou atrasado. Agora que eu ainda não estava à espera desta, não estava!

quinta-feira, 3 de agosto de 2017

Queixamo-nos muito da nossa vida

E depois vemos isto....

https://www.facebook.com/britosemangola/?hc_ref=ARSBkaUxKD25A3FTUn-0g9XG8YYzoT80sVlHI8qmmWYLIwcrRB_udGdOi3Dtzw89Wd8&fref=nf

Sim, a família do anúncio do continente é verdadeira, e está a passar por um momento que ninguém deseja. Ontem levei um murro no estômago quando, por acaso, passei pela sua página de facebook que já seguia há algum tempo.
A caminho do 9º filho, descobriu o pior.
Eu não conheço a família diretamente, mas conheço quem conheça, e isso transtornou-me ainda mais. Uma família tão crente, tão devota e com tanta fé e positivismo, com 8 filhos para criar, uma mãe ainda tão nova, e acontece isto?!
Oh meu Deus! onde fica a fé nestas alturas?

Só espero mesmo que tudo passe bem depressa. Não acredito que mereçam tal provação.
Pode parecer estranho, mas cada vez tenho mais a sensação de que este tipo de situações acontece a gente com muita capacidade de se sobrepor a elas. É preciso ser muito forte psicologicamente para aguentar isto. Talvez seja a forma do divino nos dar (à sociedade) modelos para seguir, formas de acreditar que, no final, tudo vai correr bem.

Ou então sou só eu a tentar desviar a coisa para justificar uma existência divina que preconiza sempre o bem :(

segunda-feira, 31 de julho de 2017

O CountDown habitual

Não, ainda não fui de férias.
E esta história de vir trabalhar e já quase todo um povo ter ido dar com as costas na praia, encanita-me um bocado os nervos.
Hoje é 2ª feira, e a coisa está a custar para caneco. É a primeira semana de agosto (ainda que hoje ainda seja julho), pelo que se nota um certo deserto generalizado, um certo silêncio fora do habitual.
Mas ainda me faltam 2 semanas. 2 longas semanas. E nem as feriazinhas que tirei em junho, e que ainda não vim aqui contar, me salvam da desgraça de achar que não vou de férias há 2 anos.
Não há dúvida de que preciso mesmo de sentir que pouco ou nada faço para confirmar no meu cérebro que fiz uma paragem.
E este verão? ventoso, não?
Estava eu à espera de umas temperaturas de 40 graus como o ano passado e hoje até choveu. Trouxe casaco e andei arrepiadita todo o santo dia. Que treta!
Só espero que São Pedro me ajude. Sim, que eu, se é para ir para a praia, que seja a sério! bahhhh

quinta-feira, 20 de julho de 2017

Vírus Maldito

Anda cá por casa um bicho que nem vos conto.
Primeiro foi o meu filho. Fui buscá-lo um dia à escola e disse-me que tinha dores de barriga. Noite a vomitar, dieta, mas andou 1 semana com dores de barriga e a fazer-me dormir metade da noite no sofá para o acompanhar enquanto não conseguia dormir. Numa ida às urgências (pois achei que já estava a demorar tempo a mais a recompor-se), teve de fazer um clister pois tinha as fezes já demasiado duras.. conclusão: Este bicho, em vez de dar diarreia, prende os intestinos.
Lá foi melhorando e só 1 semana e meia depois do início de tudo, é que o dei como curado e lhe comecei a dar outra comida que não dieta. Logo a seguir foi o Pai que, de um dia para o outro ficou com cólicas durante a noite, sem apetite e anda quase há uma semana a canja e maçã cozida. Hoje que parecia estar tudo a melhorar telefonam-me da escola onde a pequena anda no ATL de praia: "Ah, era para dizer que a tenho aqui comigo assim muito chorosa porque diz que lhe dói a barriga". Pronto, fiz logo o filme todo. Vai recomeçar tudo outra vez. Neste momento estou em casa com ela deitada no sofá a queixar-se da barriga. Tenho uma bela noite pela frente e mais um fim de semana lindo. Socorro!!! Mas que raio de bicho é este que demora tanto tempo a incubar, e demora mais de uma semana a sair dos corpos?
Uma coisa é certa: Está tudo elegantíssimo para irmos de férias para a praia. Ah, só mais uma coisa: Eu ainda não apanhei nada. Serei a próxima?

segunda-feira, 10 de julho de 2017

A meio do percurso

Em 2015, no final de setembro, comecei a correr. Precisava fazer exercício físico mais intenso por causa da ansiedade, para ver também se me diminuia o número de batimentos cardíacos e melhorava a tensão arterial. 
Quando comecei, nem 2 minutos aguentava. O meu objectivo era atingir 10 km de corrida para entrar nas provas e conseguir acompanhar a maioria das pessoas que conheço e que correm.
Mas o desafio mostrou-se bem mais severo do que pensei inicialmente. Tentei um treino que vi na net, e que supostamente me colocaria a correr 40 minutos seguidos em 3 meses. Como deveria fazer treinos 3x por semana, a coisa foi-se alargando demasiado no tempo, pois só conseguia fazê-lo 1x por semana. Às vezes desmoralizava, mas depressa me disseram que a treinar só uma vez, era difícil evoluir.
Mas a minha vida não me dá mais tempo, e cada um faz o que pode. Por isso, quase a fazer 2 anos em que iniciei esta jornada, ao dia de hoje já consigo sim correr 40 minutos seguidos, mas só estou a meio do desafio, pois ainda vou em 5 km. Tendo em conta que treino sozinha, corro sozinha e não gosto de me aventurar demasiado devido à minha ansiedade, sinto que já consegui atingir um grande patamar. Mas ainda estou longe. Muito longe dos 10 km. Serve este meu feito atual para perceber que realmente o corpo tem vindo a ceder aos poucos e que, grão a grão, lá vou aumentando a minha capacidade física. Mas é bem mais difícil do que pensava. No final de cada corrida fico derreadinha o resto do dia, embora com uma ótima sensação... devem ser as endorfinas...eheh
E pronto, era só isto. Vou a meio. Se calhar daqui a mais 2 anos consigo chegar ao objetivo .. errrr

quarta-feira, 28 de junho de 2017

Pedrógão Grande

É impossível ficar indiferente ao que se passou ali.
Ao inferno que resolveu visitar a terra naquele dia fatídico. Quem sobreviveu, contou-nos como é o inferno. Quem morreu, sucumbiu às chamas e ao calor do que o inferno é capaz.
Horrível!
Os Portugueses em geral, e mesmo outros povos a quem lhes tocou no coração esta desgraça, não poupam esforços e compaixão, e não têm qualquer problema em participar, na sua grande generosidade, em donativos vários para um possível mínimo conforto dos que ficaram numa situação miserável, sem família, amigos, vizinhos, casa, bens de uma vida.
Eu própria, não tive qualquer problema em ligar para os números de apoio para contribuir com donativos e ter o meu pózinho de ajuda àquelas pessoas.
Mas fico a pensar nisto: No meio de tanta generosidade, quem também esfrega bem as mãos de contente é o Estado que, evitando e tentando não abordar muito a sua quota parte de responsabilidade, vê todo um povo (os seus contribuintes) a pagarem um subsídio que deixa de ser deles.
Só ontem, no concerto, foi angariado mais de 1M€. Outros países, Macau, por exemplo, deu 200.000€. O príncipe Aga Khan, doou 500.000€. A CGD tinha uma conta aberta, não sei quanto lá foi parar. A SIC tinha, logo no primeiro dia, uma linha telefónica também para donativos. Ou seja, ao longo destes dias, certamente já devem ter chegados, entre dinheiro e bens necessários, pelo menos 3M€.
Clap, clap, clap. Ainda bem que assim é, que a ajuda quer-se rápida para apagar a tragédia horrenda que aconteceu.
Mas o Estado fica tão aliviado. Os contribuintes, no seio da sua enorme generosidade, estão a tratar de tudo. Os partidos políticos vão falando.... mas ajudas... essas, o povo dá-as, não há problema!

segunda-feira, 26 de junho de 2017

A tua cara não me é estranha

Vocês não fazem uma pequena ideia de quantas vezes eu ouço e já ouvi isto na minha vida.
A sério.
Acho que mais ou menos desde a adolescência que ouço isto. Como houve uma vez em que fui à televisão quando era teenager, na altura ainda achava que era por isso, que as pessoas se lembravam vagamente e por isso nunca sabiam de onde me conheciam.
Mas isso agora foi há séculos, já vou a caminho dos 42 (que horror), e continuam a dizer-me isso.
Por isso, das duas uma:
- Ou eu tenho uma cara muito banal e que tem várias características similares com milhentas outras mulheres, ou então não sei, porque eu nunca conheço as pessoas de lado nenhum.
Já disse por várias vezes que, se recebesse 5 cêntimos de cada vez que ouço isto, já estava com uma bela maquia. Como não vou recebendo.... fica só em pensamento.
Tudo isto para dizer que ainda hoje, depois de me apresentarem uma nova pessoa, lá veio a bela da frase:
"- A tua cara não me é estranha". E eu com o meu discuros do costume: "- Pois, eu não estou assim a ver nenhuma situação na qual nos pudéssemos ter cruzado mas..."
Ah, e só para que não pensem que pode ser tentativa de engate... isto tanto vem de homens como de mulheres. E dos mais diversos quadrantes.

domingo, 18 de junho de 2017

Salada de quinoa com grão e queijo feta

Andava há séculos para experimentar quinoa. No outro dia lá ganhei coragem para a comprar e fui em busca de receitas.
Pelo calor horrível que se fez sentir ontem, resolvi-me por uma salada para comer quando chegássemos da praia. Soube mesmo bem.

 

Ingredientes (para 4 pessoas):

100g de quinoa
1 frasco de grão de bico já cozido
2 tomates descascados e cortados em pedaços
1/2 cebola roxa cortada em fatias muito fininhas
Rúcula e alfaces q.b.
Queijo feta esfarelado q.b.
Azeite e vinagre balsâmico para temperar

Comece por cozer a quinoa em água temperada com sal, durante cerca de 20 minutos.
Envolva todos os ingredientes e leve ao frio.
Eu ainda juntei um resto de salmão grelhado que me tinha sobrado do dia anterior, mas esta receita fica bem é vegetariana.

Tempere com azeite e o vinagre e sirva.

Bom apetite!

sábado, 17 de junho de 2017

Salada de batata com salmão e camarão

Esta receita foi inspirada na queridíssima avozinha do 24kitchen, Mary Berry. Andava doida para a experimentar, e achei que agira fazia sentido, dado o calor destes dias.
Adorei, e vou repetir:

 

Ingredientes (para 4 pessoas):

3 lombos de salmão 
2 a 3 talos de aipo
1/2 cebola roxa cortada em rodelas muito finas
12 a 16 batatinhas pequenas cozidas al dente
Coentros picados q.b.
3 c. Sobremesa mostarda
6 c. Sobremesa maionese
3 c. Sobremesa vinagre
1 c. Sobremesa açúcar 
4 c. Sobremesa azeite
8 camarões grandes
Sal q.b
Pimenta q.b
Sumo de 1 limão 

Comece por temperar os lombos de salmão com sal, pimenta e sumo de limão. Embrulhe o peixe em papel de alumínio e leve ao forno por cerca de 30 minutos a cerca de 160 graus. 
Numa taça, faça o molho com a mostarda, vinagre, açúcar, azeite e maionese. Misture tudo. 
Envolva as batatas cortadas em 4 e envolva novamente.
Corte os talos de aipo em fatias fininhas e envolva no preparado, juntamente com a cebola.
Junte os coentros picados e disponha este preparado numa travessa de servir.
Quando o salmão estiver pronto, corte-o grosseiramente em lascas e disponha-o no meio da travessa. 
Coza os camarões apenas durante 4 minutos, retire-lhes a casca, e disponha-os por cima da travessa.
Polvilhe com mais coentros picados e sirva.

Bom apetite!

sexta-feira, 16 de junho de 2017

Tenho andado arredada

Fui apanhar outros ares para descansar, ligar o botão em modo zen.
De maneira que quem tenho visto nos últimos dias, são assim estas amigas aqui de baixo. 
E esta carninha? Hum? Nunca tinha ouvido falar de carne arouquesa, somente mirandesa e, digo-vos, é assim uma coisa do além. Não sei se vou conseguir voltar a comprar carne de vaca num hipermercado de Lisboa, depois de ter provado o paraíso das carnes. Até já andei na net para ver se descubro onde é que vendem desta carninha em Lisboa e arredores. 
Boa, boa, boa!!!

 

segunda-feira, 5 de junho de 2017

Cristiano Ronaldo - Uma lição de vida

Ontem deixei-me estar no sofá a ver o filme/documentário sobre Cristiano Ronaldo.
Há realmente pessoas que são uma verdadeira força da natureza. É impressionante como ele tem a força e a capacidade de estar constantemente a lutar para continuar a ser sempre o melhor.
Bem sabemos que os dons com os quais nascemos são muito importantes, mas isso de pouco serviria se não fosse o trabalho e a perseverança deste campeão.

Fiquei realmente bem impressionada. Não é que alguma vez me tivesse desiludido, mas tudo o que vi no filme só prova aquilo que vamos vendo no dia a dia, nos meios de comunicação social. Com a tenra idade que tem (não são muitas as pessoas que conseguem dar verdadeiras lições de vida, quando têm 30 anos e picos), faz-nos ficar a pensar e a ponderar em todas as nossas ações.

Muito bem Cristiano! És um exemplo e uma inspiração para o mundo inteiro. É verdade que o teu corpo atlético te ajuda a conseguir alcançar muitos feitos físicos, mas essa tua cabecinha é o segredo de tanto sucesso. Achei piada à frase dele em que dizia que o seu objetivo era ser mesmo o melhor do mundo.

Pensar alto, pode ser um dos segredos do seu sucesso. Pensar sempre alto e lutar para que esse pensamento não caia.

Obrigada Cristiano. És o nosso (Portugal) menino de oiro :)



domingo, 28 de maio de 2017

Acompanhamento de Beringela

Mais um excelente acompanhamento vegetariano para pratos de carne ou peixe. Acho que também daria perfeitamente para um prato principal. Estava ótimo!!


Ingredientes (para 2 pessoas):

1/2 beringela cortada em cubos
3 tomates descascados, cortados em cubos
Salsa picada q.b.
2 dentes de alho
1 cebola roxa cortada em rodelas fininhas
1 C. Sopa de alcaparras
1 C. Sopa de azeitonas descaroçadas
100g de cogumelos portobello cortados em pedaços
1 C. Sopa de vinagre balsâmico
Azeite q.b.
Sal q.b.
Orégãos moídos q.b.

Comece por deitar um pouco de azeite numa frigideira larga, deixe aquecer, e junte a beringela. Envolva bem e junte a cebola roxa. Tempere com um pouco de sal, orégãos e deixe apurar. Deite mais azeite se for necessário.
Junte os dentes de alho picados, as alcaparras e as azeitonas. Envolva novamente. Junte o tomate, deixe que tudo fique bem envolvido e macio. Deite o vinagre e de seguida os cogumelos. Deixe-os cozinhar e, por fim, junte a salsa picada.

Bom apetite!

quarta-feira, 24 de maio de 2017

A 200 à hora

...Almoço à pressa...
... Saio do trabalho à pressa...
...Demoro 1h a fazer um percurso que normalmente demoraria 10 minutos de carro, mas à conta do parvalhão do Medina, Lisboa está totalmente em obras, caótica, e a deixar toda a gente com um esgotamento nervoso (Medina não te lembres de passar pela minha frente, não sei se me consigo controlar e não te pregar um par de tabefes bem dados - espero que os lisboetas se lembrem bem do inferno pelo qual passamos há 1 ano na hora de votar).
...fazer o jantar à pressa...
... ver TPC e preparar os miúdos para os testes à pressa...
... comer à pressa....
...passar umas roupitas a ferro para não acumularem muito, à pressa....
... dar conta de coisas que deixei por fazer no computador e que temos de despachar, à pressa....
...e deitar-me já depois da meia noite, fazendo com que ande zombie já há 2 semanas.

A sério... isto está de loucos, e espero sinceramente que acabe esta semana. Estou tãããããao cansada!!!!!

domingo, 14 de maio de 2017

Que orgulho, caneco!!!!


Será que começamos a acreditar que somos mesmo bons, e pronto?!?!?
Ainda vamos voltar a conquistar o mundo. 
Viva Portugal!!
É que estou mesmo orgulhosa. Hoje vou deitar-me com um sorriso parvo na cara.... lailailailai

quinta-feira, 11 de maio de 2017

Quindins de Côco

Nunca tinha feito este doce. Melhor, nunca o tinha, sequer, provado. Só de olhar para eles na vitrine das pastelarias, ficava enjoada só de pensar quão doce seria. Não gosto de coisas demasiado doces.
Mas hoje, à pergunta do que fazer com 3 gemas, fui parar a esta receita. Resolvi experimentar e.... fui ao céu. Tão bons, senhores. E que fácil foi fazê-los.


Ingredientes (para 2 quindins)

3 gemas
3 C. Sopa rasas açúcar 
3 C. Sopa rasas de côco ralado
1 C. Sopa leite
Margarina para untar as formas

Mexa bem as gemas com o açúcar e o côco. Junte o leite e volte a mexer.
Unte 2 forminhas de queque com margarina e leve ao forno em banho maria (dentro de um tabuleiro com água até metade da altura das formas) em calor médio até que por cima comecem a ficar tostados.
Retire do forno e desenforme.

Delicie-se!


quarta-feira, 10 de maio de 2017

Ganhar

O ano passado quando, contra (quase) todas as expectativas, ganhámos o campeonato Europeu de futebol, a euforia foi tão grande que o pessoal nem cabia nas palavras da emoção que transmitia.
As redes sociais estavam inundadas de fotos, de palavras, de esperança, de tudo... foi um auge de Portugal, foi épico.
Lembro-me na altura, de ver um comentário no facebook, irónico, e do qual desatei a rir a bandeiras despregadas, pois a frase ditava assim:
" Este ano o Euro, para o ano a Eurovisão!" Desatei a rir e mostrei as mensagens lá em casa, pois o disparate era tal, que era mesmo para rir.
Ganhar a eurovisão é quase uma anedota para nós, dada a pouca atenção que Portugal recebe sempre, ainda que as músicas nem sejam más de todo.
Mas o que acho mesmo graça é que, embora não ache que vamos ganhar a Eurovisão (lá está o meu pensamento tuga pequenino), a nossa prestação já está a ser a melhor dos últimos nem sei quantos anos.
Desde que há eliminatórias prévias, que não me lembro de passarmos uma única vez, e os nossos resultados são sempre um verdadeiro desastre.
É incrível. O ano passado ganhámos mesmo o Euro, e este ano, pela primeira vez em muitos, também não vamos fazer má figura na Eurovisão.
Boa Salvador!!! Obrigada!! Dá-lhes com força, que nós estamos aqui para ajudar!!!


É que a música é mesmo linda, caneco!!!

terça-feira, 2 de maio de 2017

Mindfulness


Tão bom!!!
Som divinal, poder ter o foco completo no que estamos a fazer, enquanto a música melodia os nossos neurónios e estes pairam de tanta abundância!
Adoro ouvir piano. E só tenho pena de ter ainda tanta dificuldade em tocar. 
Vale-me o meu rico filho que, com a sua paciência para a mamã, lá vai ensinando os meus dedinhos a bailar teclado fora.
Lailailailailai....

sexta-feira, 28 de abril de 2017

Vidago Palace

Adoro esta série!
Adoro séries de época, principalmente quando são portuguesas e tão bem feitas como esta.
Os cenários, as roupas, a postura, as paisagens.
Uma vez fui passar uns dias às Pedras Salgadas e depois dei um pulinho a este hotel em Vidago (Sim, ele existe mesmo!).
Só o vi da parte de fora, que não dava para entrar no recinto, mas foi o suficiente para ficar deslumbrada com as vistas.
Tão bom!

Os meus filhos ficam colados à televisão enquanto o episódio não acaba. Tão engraçado vê-los presos a uma história de época, aprender como esta nobreza se movimentava em sociedade.
Adoro! E viessem muitas mais séries destas, o verdadeiro entretenimento familiar que existe tão pouco na televisão (na minha opinião) aos dias de hoje.


domingo, 23 de abril de 2017

As férias na neve são muito giras, mas....

São tão cansativas!!!!
Já há muitos anos que não fazia uma semana inteira de férias na neve. Já não me lembrava bem de como era, e de como pesava bem no corpinho. A última vez que tínhamos ido uma semana inteira ainda não tínhamos filhos. Com eles, só tínhamos ido 3 dias uma vez à Serra Nevada.
Fomos para os Pirinéus Aragoneses e a viagem, de 12 horas no total, correu melhor do que estava à espera. Os miúdos dormiram, chatearam, mas lá se fez, sem grandes percalços (felizmente).
Como já todos sabemos esquiar mais ou menos, não reservámos aulas para ninguém. Esquiámos o tempo todo os 4 em conjunto, corremos a estância toda por pistas azuis, e foi uma boa semana de passeio em ski. Mas passados 3 dias a minha filha já não queria sair dos lençóis de manhã. Estávamos todos exaustos e a precisar de ficar a descansar mais um bocadinho. O que é certo é que assim que começávamos a esquiar, esqueciamo-nos do cansaço e lá íamos nós. Já não havia muita neve, mas havia a suficiente para esquiar. Deixo aqui umas fotos das paisagens, que o melhor de tudo isto é poder apreciar as vistas enquanto esquiamos.

A vista numa das pistas que fizemos

A vista do nosso quarto


domingo, 16 de abril de 2017

Lentilhas estufadas com chouriço e ovos escalfados

E as receitas de lentilhas continuam, que temos ainda o resto do pacote para gastar :).
Tirei esta ideia do site cinco quartos de laranja, e ficou, mais uma vez, uma excelente ideia para repetir.


Ingredientes (para 4 pessoas):

1 chávena de lentilhas
1/2 cebola roxa
2 dentes de alho
2 cenouras
1 chouriço (usei 2 linguiças pequenas)
1 lata tomate pelado
4 ovos
Coentros picados q.b
Sal e pimenta q.b.

Coloque a cebola e os alhos picados num tacho juntamente com o azeite. Deixe refogar um pouco, e junte depois as cenouras cortadas em pedaços pequenos, as lentilhas e o tomate. Junte água e deixe cozinhar um pouco. Adicione depois o chouriço cortado às rodelas e deixe apurar até que as lentilhas fiquem cozinhadas. Vá juntando água sempre que necessário.
Tempere com sal e pimenta a gosto.
No final escalfe os ovos à parte e junte a este preparado. Polvilhe com coentros picados.

Bom apetite!



domingo, 9 de abril de 2017

Desencontros Linguísticos

Acabei de ter uma daquelas conversas dignas de filme cómico.
Vim passar uns dias a Espanha, e estou num hotel bastante bonzinho, quarto ótimo, espaçoso, boa comida, etc.
Mas a casa de banho não tem piaçaba. E isso eu não consigo aceitar. As sanitas querem-se (ou eu quero-as) a brilhar.
Nisto, vai de tentar pedir um através do telefone ligando para a receção. Foi um filme... primeiro não sabia como se dizia em espanhol, tive de ir ao google translator. Depois, mesmo pedindo um cepillo de baño, perguntaram se queria com pasta... achei que tinha posto o pé na argola e, face à minha insistência, ele perguntou se não era para os dentes.. glup...
resolvo explicar então que era para limpar a sanita...
Ouve-se do outro lado: "Ah, no tenemos".
Parece que é bicho raro em Espanha, e então tenho de esperar que amanhã a senhora da limpeza faça o serviço que eu própria queria adiantar... Grrrrr!!!!!! Estes nuestros hermanos...

sexta-feira, 31 de março de 2017

Do Busto do menino de ouro....

Não consigo imaginar maior humilhação do que ser gozado, seja por quem for.
Não consigo imaginar humilhação mais universal, do que ser gozado quase pelo mundo inteiro, dada a dimensão que já atingiu a foto do busto de Ronaldo por tudo o que é imprensa lusa e estrangeira.
O gozo também se pega. E se é verdade que até podemos achar que o busto está de alguma forma caricato, esta forma de achar torna-se gigante, quando vemos que ao nosso lado toda a gente se ri descontroladamente e fala jocosamente do assunto.
Pelo que a imprensa deu a conhecer, o autor é ainda novo, estava desempregado e a sua última ocupação teria sido de volta de limpezas do próprio aeroporto da Madeira.
Foi ele que propôs a criação do busto, aprovaram, mostrou a obra e aprovaram.
É certo que o que pode estar aqui a falhar será (no meu parco entendimento sobre o tema) o alinhamento dos olhos e o facto de estarem demasiado juntos. O Ronaldo estar a rir-se também não ajuda.
Mas não há dúvida de que não há forma de enganar quem quer que seja: É o Ronaldo, sem sombra de dúvida.
Por isso, aqui fica o meu apoio ao escultor, por achar que estão a levar este assunto a uma dimensão que ninguém merece. O busto podia estar melhor sim, mas também podia estar bem pior, é como tudo na vida. É o Ronaldo, é um dos seus possíveis bustos. Sinceramente acho que está bem melhor do que a cara da estátua que também já existe.
Vão-se todos catar!!! Falam como se conseguissem fazer melhor.....


quinta-feira, 30 de março de 2017

Sou só eu que acho, ou esta mulher é mesmo muit'á feia?


Os olhos, o nariz, a boca, o conjunto todo.
Kredo!!!
E agora tenho de a gramar em todo o lado, aparece em tudo o que é programa giro... bolas!!

quarta-feira, 29 de março de 2017

Pudim de Côco

Esta receita é fácil, ótima e relativamente simples de fazer.
Foi-me dada por uma colega minha quando lhe pedia sugestões para uma sobremesa simples e consensual.
É um pudim pequenino, mas podem dobrar a receita caso precisem de um doce maior.
Cá em casa adorámos todos e pretendo repetir.



Ingredientes:

1 lata de leite condensado 
1 lata de leite (medida da lata de leite condensado)
3 ovos
4 c. Sopa de côco ralado

Misturar o leite condensado com o leite, e as gemas. Mexer devagar.
Bater as claras em castelo, juntar ao preparado anterior, assim como o côco.
Untar uma forma de pudim com caramelo líquido, e verter o preparado.
Levar a cozer no forno em banho maria durante 30 a 45 minutos a cerca de 180 graus.

Bom apetite!

quinta-feira, 23 de março de 2017

Dos atentados....

Das coisas mais difíceis de lidar, depois de vermos estes estúpidos atentados a acontecerem em várias partes do mundo, é explicar aos nossos filhos o que se passa.
Ainda no dia anterior tínhamos falado em visitar Londres um dia destes, visto que é uma cidade que há muito terem curiosidade em conhecer.
O Big Ben, o rio Tamisa, o Palácio de Buckingam. Principalmente porque dão inglês na escola, falam do Reino Unido e das principais atrações e características. E, a bem dizer, é uma língua que já não lhes é completamente estranha.
No próprio dia, quando íamos a caminho de casa, o meu filho perguntou-me então se no fim de semana não teríamos de tratar de decidir se íamos a Londres ou não, ao que eu lhe respondi que era capaz de ser difícil ir agora. Ele perguntou porquê, e eu disse-lhe que tinha havido um atentado.
Perguntou logo:

- Estado Islâmico?
- Sim, respondi eu, entre dentes.

Estas coisas começam ter repercussões nos medos e angústias das crianças. No outro dia soube de uma que não quer andar de metro com medo de atentados. Tenho um colega cujo filho, ainda bem pequenito, já diz recusar-se a andar de avião. Os meus ainda não disseram nada do género, mas tenho receio que ganhem medos complicados, tendo em conta que estas questões começam a acontecer em qualquer parte do mundo, indiscriminadamente.
Sei que é o que querem, lançar o medo, o caos por todo o lado, mas não podemos sucumbir-lhes.
Mas é complicado incutir isto num cérebro em formação, e que começa a ver o mundo lá fora como um perigo constante.
Bolas para isto! será que não é motivo para a Europa (pelo menos) se unir em força contra esta gente? unidos somos (tão) mais fortes....

quarta-feira, 15 de março de 2017

As pérolas de Sócrates

Ontei ouvia na rádio, incrédula, o que José Sócrates disse após o seu interrogatório: Que não conseguia perceber como é que passado tanto tempo, e após tanta investigação, não lhe tinham conseguido fazer ainda uma única acusação! Como é que era possível, que continuavam com uma escuta aqui, uma escuta ali....
Agora digam-me: é só a minha mente conspurcada a achar isto ou há mais alguém com a mesma opinião que eu:
Com este tipo de considerações, ele não está mesmo a dizer: "Com tanta porcaria que fiz e com o que já viram e ouviram, como é possível ainda não me terem conseguido acusar de nada?!"
É que a mim ocorreu-me ouvir uma clara demonstração de escárnio e gozação plena, sobre o facto óbvio das suas trafulhices.
Sinceramente, acho que não deve ter medido bem as palavras que, a meu ver, foram claramente contra ele próprio.
Mas este senhoreco já em nada me surpreende. Só me causa asco e repulsa, e uma enorme vergonha por um dia, eu própria, ter sido por ele ludibriada para conseguir o meu voto. Não me esqueço e não consigo ultrapassar esta minha (enorme) falha do passado.

terça-feira, 14 de março de 2017

Caril de Lentilhas e Batata Doce

Ando a ver se faço umas receitas vegetarianas de vez em quando. Não só porque a nossa alimentação é muito abusiva em carne e peixe, mas também porque devemos comer mais legumes e leguminosas que nos fazem bem, e que protegem o nosso organismo.
Acho que os meus filhos também se devem habituar a isso, para ver se ganham mais gosto pelos legumes que, como sabemos, não são propriamente das comidas mais desejadas pelas crianças.
Vai daí, tenho andado a ver se descubro receitas não muito complicadas na Net, e se não levam ingredientes daqueles que só achamos em lojas muito especializadas. Nunca tinha feito lentilhas (embora já as tivesse comido fora de casa), e ficaram maravilhosas.
Esta receita é fácil de fazer e muito boa :)


Ingredientes (Para 4 pessoas):

1 chávena de lentilhas vermelhas
1 cebola picada
2 dentes de alho picados
2 c. chá de gengibre fresco, picado
2 c. chá de caril em pó
2 batatas-doce médias, descascadas e cortadas em cubos
1/2 a 1 chávena de água (dependerá depois da consistência do molho)
400 ml de leite de coco
sal q.b
coentros picados q.b
azeite q.b

Aqueça o azeite numa panela com a cebola, alho e gengibre. Deixe refogar em lume médio alguns minutos, até a cebola ficar macia. Adicione o caril, envolva-o no refogado, e junte a batata-doce em cubos. Adicione a água (comece apenas com 1/2 chávena) e o leite de coco. Deixe ferver 5 minutos. Adicione agora as lentilhas previamente lavadas. De seguida, reduza o lume e cozinhe as lentilhas mais 10 a 15 minutos, até estarem cozidas. Quando estiverem quase prontas, junte o sal. Eu ainda deitei uma malagueta sem as sementes, mas ao provar vi que estava muito picante para as crianças e retirei-a.
Junte por fim os coentros picados e sirva com arroz basmati e uma salada de tomate e abacate.
Esta salada eu temperei apenas com azeite e sal grosso.

Bom Apetite!



terça-feira, 7 de março de 2017

Salvador Sobral

Achava eu que nunca o tinha visto na vida, nem ouvido qualquer coisa sua.
Afinal estava enganada. Este rapaz já tinha sido concorrente do programa Ídolos em tempos, mas a sua imagem era bem diferente.
Era ainda um teenager, cheio de bom aspeto, e lembro-me de arrecadar vários elogios do público.
Agora apareceu com um aspeto lastimável (e desculpem, mas a doença a que supostamente foi operado não é desculpa para tudo), e com uma forma de estar em palco por demais suspeita.
Adoro a música, é linda, linda. Aliás, como a maioria das músicas cantadas pela irmã (não sei se serão todas compostas por ela). Adoro aquele estilo, ao jeito de canção de embalar. Mas, caso o seu comportamento em palco seja semelhante ao que foi no nosso festival, temo que fiquemos com toda uma Eurovisão de boca aberta, a achar que Portugal ensandeceu de vez por terem mandado um tipo meio deficiente cantar em palco.
É verdade que perdemos sempre, pelo que perdido por cem ou por mil, neste caso, já vai dar quase ao mesmo, maneira que é quase mais uma forma de chamar a atenção.
Quem sabe se até não teremos sorte...
Bom, só para resumir, dizer que Adoro mesmo a música, mas o rapaz causa-me deveras confusão.
Acho que também não custava nada passar um pente no cabelo, só para ficar um pouco mais arranjadinho.


domingo, 5 de março de 2017

Hype Market


Ontem à tarde passei no Hype Market em Alvalade. Não foi uma coisa premeditada, mas estava mesmo a passar perto, consegui lugar logo ali para estacionar, e entrei.
Aquilo fica numa garagem, o ar está um bocado poluído com monóxido de carbono, mas aguenta-se. 
Mas devo dizer-vos que foi uma verdadeira tentação. 
Havia coisas espetaculares, acho que todas as marcas tinham coisas giras. 
Nem olhei bem para muitas para não cair em tentação. 
Mas valeu a pena lá ir dar uma espreitadela.
Ainda trouxe esta camisolinha aqui em baixo, da marca Gralhas, uma verdadeira ternura.
O que estão a ver são as costas, à frente não tem nada, e é leve e folgada. Hoje já a usei porque a paixão por ela é demasiado grande.
Ainda lá ficou muita coisa que não me importava nada de ter trazido comigo, mas temos de ser criteriosas...




quinta-feira, 2 de março de 2017

Desligar o botão

Às vezes, é preciso desligar o nosso botão. Colocar-nos em "off" durante uns dias, de forma a conseguir recarregar baterias.
Já há algum tempo que não o fazia, por este ou por aquele motivo, e porque em férias normalmente gosto de aproveitar para conhecer outros lugares e passear muito.
Mas neste fim de semana de carnaval, que acabou por ser prolongado para mim, pois tirei os mesmos dias de férias dos miúdos, o objetivo foi mesmo descansar. E que bem que soube.
Não fiz absolutamente nada que me lembrasse a minha rotina diária. Não me preocupei com almoços, com jantares, com mochilas para o dia seguinte, com os lanches da manhã, com o que descongelar para o jantar do próximo dia, com os cadernos para as aulas de piano, com os lanchinhos da manhã que os miúdos têm de levar, com a pilha de roupa para passar a ferro, com o despertador a tocar em horas impróprias, com nada. Nadinha!
Foi um desligar completo da rotina e da cidade. Fomos para o campo, ali para os lados da Beira Baixa, aproveitar a desertificação que, para além de bastante triste, dá jeito nestas alturas. A única poluição sonora era o chilrear dos passarinhos. Tão bom!
O tempo nem esteve muito mau, ainda deu para dar umas voltitas por ali. Houve um dia em que fomos à Serra da Estrela para desenferrujar os pés dos skis, mas o tempo virou e apanhámos uma molha tão grande, tão grande, que acabou por ser um dia de ski um pouco desagradável.
Mas nem isso deu para dar cabo do momento off.
Tanto que as pessoas da cidade precisam deste silêncio de vez em quando. Começo a compreender tão bem aqueles que resolvem largar a cidade de vez e irem para o campo, para uma melhor qualidade de vida. Se bem que eu acho que com o meu feitio, mais uns dias naquele deserto e era capaz de me começar a pesar aquele silêncio todo, o facto de ter de me deslocar imenso para ir simplesmente a uma farmácia ou fazer umas compras rápidas.
Qualidade de vida por um lado, dificuldades por outro.
O que tenho a certeza, é que de vez em quando, é mesmo preciso ir desligar esta aceleração toda.
E soube muito bem.



sexta-feira, 17 de fevereiro de 2017

Bárbara e Carrilho

Um verdadeiro filme de terror. Para eles, para as respetivas famílias e, principalmente, para os filhos.
Tenho pena dos 2, que devem estar a passar pelo pior momento das suas vidas, e tenho muita pena das crianças, principalmente do mais velho que já irá ter fortes memórias destes tristes acontecimentos.
Não acredito que algum seja o Santo desta história. A Bárbara tenta fazer-se de vítima do ex-marido, mas há muito fumo à volta dela para que não haja por ali fogo sujo, comportamentos muito duvidosos. Quanto a Carrilho, também não consigo imaginá-lo como vítima de tudo isto. Ambos devem ter aturado muita coisa um do outro, e agora rebentam como rolhas presas de uma pressão imensa.
Querem vingar-se um do outro, usando os filhos, pois são o seu mais que tudo. Ambos querem o mal um do outro, isso está à vista.
Que a justiça impere. Mas porque é que não decidem uma guarda partilhada com acompanhamento?
Que tortura tão prolongada, que horror!!


quinta-feira, 16 de fevereiro de 2017

As pessoas que nos marcam

Ultimamente tenho percebido que não é à toa que muita gente profere a frase: "As pessoas entram na nossa vida por acaso, mas não é por acaso que ficam".
Há pessoas realmente muito marcantes e que condicionam a forma como vamos pensar ou agir dali para a frente. Digo isto a propósito de uma colega que se reformou recentemente e que marcou de uma forma enorme e muito positiva todos os que com ela partilharam o dia-a-dia.
Apesar de já ter atingido a idade da reforma há algum tempo, não era condição que almejasse com pressa. Acabou por ir porque as empresas às vezes assim o impõem, há que dar lugar a outros e rejuvenescer certos ambientes. Mas a sua presença era uma fonte de energia e de juventude diária. Eu assumo aqui que, com 41 anos, me sinto bem mais velha que ela. Sinto-me sempre cansada, com pouca energia, desmotivada, farta de fazer sempre as mesmas coisas.
Ela não. Apesar de nem fazer exatamente o que gostava, agarrou com todas as suas forças o trabalho diário que tinha e que passou a adorar. Fazia-nos rir muitas vezes com as suas opiniões muito próprias, levava-nos a viajar em sonhos com as suas histórias. Era uma lição de vida diária, uma fonte de inspiração e de motivação laboral.
Uma marca positiva que deixou em todos, agora que a vamos ver só de vez em quando, e nas redes sociais que tanto ajudam a aproximar as pessoas.
Há realmente muita gente que vale a pena conhecer, pois andam neste mundo a contribuir para que tenhamos, todos os dias, um dia melhor. E eu fui uma felizarda porque a conheci a ela. Porque se cruzou na minha vida por acaso, e agora fico com os seus ensinamentos e modelo de atitude para o resto da vida.

terça-feira, 7 de fevereiro de 2017

Novo ano - Novas resoluções

Por acaso não sou nada de resoluções de ano novo. Nem ligo muito a estes ciclos impostos socialmente, parece que se tornam quase uma obrigação de mudança, de melhoria de qualquer coisa.
Mas este ano, assim do acaso, e sem ser nada premeditado, algo que sonhava fazer já há muito tempo, calhou acontecer entre o final de 2016 e início de 2017.
A perspectiva começou a tomar corpo em dezembro, a decisão de sim ou sopas arrastou-se para o início do ano, e voilá, hoje foi um dia decisivo.
O dia em que nos comprometemos com algo novo nas nossas vidas e que, assim o esperamos, seja proveitoso para o nosso dia a dia, para o nosso futuro e o dos nossos filhos.
As decisões são sempre difíceis, nunca sabemos se temos uma má surpresa ao virar da esquina, mas todas as opções que tomamos na vida implicam riscos, por isso, há que saber encará-los caso apareçam, e geri-los da melhor forma.
Estou contente! Coisas novas se avizinham, novos desafios e novas perspectivas para criar um bocadinho de rutura na nossa rotina diária.

segunda-feira, 6 de fevereiro de 2017

Mais um dente - Mais uma volta no carrossel

Ando a tornar-me profissional de dentes arrancados.
Primeiro um siso, depois outros 2 de uma vez, agora um canino incluso.
Estou de rastos. boca inchada, cheia de pontos, céu da boca que não me deixa falar como deve de ser... enfim,uma lástima!
O que vale é que já não é a primeira vez e já sei o que a casa gasta.
Este canino levou mais tempo a sair do que 2 sisos juntos. A ponta da raíz parecia um anzol, tanto que o dentista me pediu para ficar com o dente para ir à pesca... engraçadinho!
Defeitos de fabrico chatos, que se resolvem só depois de 40 anos de vivência... quero ir para a minha caminha descansar! Buááá!!!

domingo, 29 de janeiro de 2017

Escape Games

Já tinha ouvido falar, assim muito de raspão, deste tipo de jogos. Não dei muita importância, nem percebi bem como era ou o que era exatamente.
Ontem, à conta da vida social dos meus filhos, assim sem saber muito bem como, vi-me dentro de um deles, na zona histórica de Lisboa.
Que experiência espetacular, que momento tão bem passado.
Enfiada numa sala com mais 4 miúdos, tínhamos 60 minutos para desvendar todos os enigmas que nos levariam a abrir a porta para o final do jogo.
Foi duro! Ninguém com experiência, e ficámos para aí os primeiros 10 minutos completamente à nora, só a explorar a sala onde nos encontrávamos, a tentar perceber o que fazer em primeiro lugar.
Lá teve a senhora (monitora) de nos desembaraçar do primeiro quebra-cabeças, pois, ao dizer-nos para não usar a força em nada, ninguém percebeu que tinha de desenroscar a primeira pista (era preciso fazer força).
Foram tantas as peripécias, tanto código, tanta coisa para decifrar, duas salas secretas, chaves, telefones, malas com códigos, quadros que escondiam peças do quebra-cabeças, tanta coisa, que quase saí de lá esgotada. Mas completamente apanhada por esta vivência.
Entretanto contaram-me que existem imensas em Lisboa, e que é uma ótima forma de nos divertirmos com os amigos antes de um jantar por exemplo.
Só tive pena de precisar de imensa ajuda para ir andando no enigma, e digamos que ter mais 4 piolhos à minha volta a gritar, a mexer nas chaves erradas, a mandar "bitaites" também não ajudou. Saí frustrada porque queria ter conseguido desembaraçar-me sozinha, e não consegui. Quero mais, quero mais experiência, quero ir a mais jogos destes.
Acho que tem apenas um senão: É caro para xuxu!!!!

Já experimentaram?

segunda-feira, 23 de janeiro de 2017

Novos tempos / Novas realidades

Estava a ver ontem o Trump a falar nas notícias e de repente dei-me conta que há uns tempos atrás, aquando da campanha eleitoral, tinha pensado: "Bolas! Nunca mais acaba este período de campanha para ver se paro de ver o Trump na TV. Que cansaço!"
E agora, incrivelmente, tenho de o ver todos os dias!
Contra todas as (minhas) expectativas, aquele homem conseguiu tempo de antena diário do mundo inteiro.
Vemos um montão de americanos envergonhados com a realidade que eles próprios impuseram, já vi na Net um relógio countdown com o nº de dias que falta para Trump terminar este mandato (esperam eles que não haja outro), e o mundo fala diariamente desta obscenidade de homem que virou quase presidente do mundo..
E agora? Agora só mudando de canal...

quinta-feira, 12 de janeiro de 2017

Mário Soares

Já se disse tudo e mais um par de botas sobre este senhor.
Confesso que sinto que não tenho conhecimento suficiente de história para opinar sobre o trabalho dele, como muitos o fazem pelas redes sociais e tudo o que é site informativo.
A história sempre foi e sempre será o meu calcanhar de aquiles, não gosto, não ligo, não fixo, não consigo ligar acontecimentos.

Mas lembro-me bem de, em 1986, ter uns 10 ou 11 anos (idade atual do meu filho), e ter uma vontade enorme que Soares ganhasse as eleições presidenciais contra Freitas do Amaral. Gostava da música de campanha, gostava de ver passar na rua os carros de campanha, e davam autocolantes que cheguei a ter ao peito com: "Soares é Fixe".

E acredito que fosse bem fixe, embora nunca o tenha conhecido pessoalmente!
Lembro-me de há uns anos atrás, ter dado um documentário na RTP em que era Soares que contava umas histórias sobre o seu passado e certos acontecimentos que vivenciou (não me lembro minimamente do nome do programa e respetivos moldes), mas eu gostava de ver aquilo e lembro-me que, na altura, cheguei a pensar: Este homem deve ser um avô espetacular. Com a quantidade de histórias que consegue contar sobras as suas aventuras, consegue deliciar quem com ele convive.

Como a minha convivência com avós foi sempre muito na diagonal, porque estavam longe, porque os via muito pouco e porque foram morrendo sem que verdadeiramente os pudesse conhecer realmente, sempre tive uma certa inveja destes avôzinhos bonacheirões cheios de histórias e de ternura.

Este também mostrava ser um bocado bruto de vez em quando, com uma educação duvidosa por vezes, mas ao mesmo tempo engraçado. Aquela candidatura às eleições em 2006 foi uma verdadeira anedota, mas lembro-me bem de ver as imagens da sua assinatura aquando da nossa entrada na União Europeia (então CEE). E disso, meus caros, digam o que disserem, tenha eu os poucos conhecimentos de história que tenha, foi um momento único e jamais alguém pode dizer que tenha sido uma má decisão, mesmo com todos os problemas que agora possamos ter. Portugal, naquela altura, não teria outra opção.

Também falam muitos das colónias e do disparate que possa ter feito a seu bom proveito. Não sei, não consigo opinar.
Opino apenas por um passado mais presente, quando foi apoiar Sócrates na prisão. Que horror! que falha enorme! Sobre esse consigo opinar, sim, e é uma das maiores farsas que Portugal já viu na sua história.
Mas como este post é sobre Soares, não tenho dúvidas nenhumas que foi um homem muito importante para Portugal, e que deve ser recordado nos livros de história.
Teve uma vida longa, cheia de aventuras, e uma mulher admirável.

Paz à sua alma!
E foi muito duro ver Isabel Soares (essa sim, eu conheço de raspão e já tive algumas breves conversas com ela), que é uma mulher dura, fria, pragmática, líder, forte, completamente desfeita nas cerimónias fúnebres.

Mas a vida é assim, e continua para os que cá ficam!


Soares foi fixe!

quinta-feira, 5 de janeiro de 2017

Tem calma, mamã!!!

Não adoro propriamente andar de avião. Tenho medo ou respeito ou receio ou cagufa, ou sei lá o que é. Mas de há uns anos para cá que não é propriamente a coisa que mais gosto de fazer. Lembro-me das primeiras viagens que fiz, já uma jovem adulta, e não havia medo que se aproximasse. Era uma aventura, uma paixão, uma emoção!
Mas agora é diferente, a consciência é outra, tenho filhos que precisam de mim e a minha cabeça também não é a mesma (infelizmente).
Desde que comecei com problemas de ansiedade que não tenho coragem de fazer uma viagem de longo curso. E, mesmo sendo na Europa, tomo sempre metade de um calmante antes de embarcar (just in case). Mas as viagens têm corrido bem, não apanho muita turbulência, boas aterragens, também tenho viajado praticamente sempre pela TAP, que me dá muita confiança, aqueles pilotos são mesmo bons e ponto final.
Mas isto tudo para dizer que há sempre um momento pouco depois da descolagem que me atormenta por demais. Há ali umas frações de segundo, em que o bicho dos ares enquanto está a subir, tende a perder um pouco de altitude. E apesar de acontecer sempre, tenho a constante sensação de que o avião não está a ter força suficiente para subir e pode cair. Faço sempre um ar de pânico e agarro-me sempre com todas as minhas forças aos braços da cadeira. Nesta última viagem, não foi exceção. Mas o que achei piada foi à reação da minha filha que, ao ver a minha atitude de desespero, me olhou com a maior das calmas e me disse:
- Calma, Mamã!!!
Do alto dos seus 8 aninhos acalmou este mente cheia de toxicidade, que não é capaz de pensar positivo em primeiro lugar.
À vinda para cá, a mesma coisa. Mas desta vez foi o meu filho que se apercebeu primeiro da situação e logo proferiu:
- Calma Mãe!

Conclusão: É muito bom já ter filhos com uma idade em que já começam a dar apoio. Ainda que seja um apoio de uma ingenuidade pura, fiquei logo melhor depois daquelas frases proferidas por vozes pequeninas :)

quarta-feira, 4 de janeiro de 2017

Amesterdão

Já há muito tempo que queria visitar esta cidade. Já tinha ouvido inúmeros comentários positivos, que era uma cidade giríssima, que gostavam de lá viver, e as bicicletas, os canais, etc.
Não me desiludiu. As expectativas estavam elevadas, mas vim satisfeita. A paisagem acaba por ser de certa forma repetitiva com lindos canais e bicicletas por todo o lado, mas aquela dinâmica de se ir facilmente a pé ou de bicicleta para todo o lado, deixou-me cheia de inveja. Não é uma cidade gigantesca como Paris ou Londres, o que acaba por a tornar extremamente acolhedora. Estava fresquinho, mas quando chegávamos a casa o aquecimento central era maravilhoso e passávamos muito bem!
Gostámos todos muito, era uma cidade onde facilmente me adaptaria a viver, mesmo com frio, porque o andar de bicicleta para todo o lado iria aquecer-me o coração e deixou-me verdadeiramente apaixonada. Achei uma cidade um pouco descaracterizada ao nível de gastronomia, porque só se via fast food por todo o lado e, sem serem queijos e uma tarte de maçã, não provei nada típico. 
Mas adorei e aconselho a todos a visita.
Ficam algumas fotos:


Mercado de flores. Cada bolbo à venda, que nem vos passa os tamanhos.


Museu Van Gogh. Não sou muito de museus mas gostei muito deste. Não é muito denso, vê-se bem e as crianças nem chatearam.


A famosa tarte de maçã que falei há pouco. De fazer chorar todas as pupilas gustativas. Ma-Ra-Vi-Lho-Sa! O chá era de hortelã, e não podemos dizer que lhe faltasse erva!


Biclas, biclas e mais biclas!


A paisagem típica! Linda!!!