domingo, 26 de abril de 2015

O meu melhor amigo nas próximas 8 semanas...


Estou a contar contigo!!

sábado, 25 de abril de 2015

Perninhas de Frango de Churrasco

Há uns dias fiz estas perninhas de frango, que ficaram divinais. O meu filho disse-me que se eu estivesse no MasterChef tinha de certeza 12 pontos (anda sempre a tentar dar-me classificações nas comidas).
Achei a receita na Net, na página da Lusiaves, e ficou seguramente uma receita para repetir. Peço desculpa pela foto, mas só me lembrei de a tirar só já havia uma pernoca para contar a história. Então aqui vai a receitinha:



Ingredientes (Para 3 pessoas):

8 perninhas de frango
2 c. sopa de ketchup
2 c. sopa de azeite
120 ml de sumo de laranja natural
1 c. sopa de vinagre balsâmico
1 c. sopa de orégãos
1 dente de alho
sal e pimenta q.b

Comece por fazer uns golpes nas pernas de frango e tempere com sal grosso. Numa tigela, verta o ketchup, o sumo de laranja, o vinagre balsâmico e mexa bem. Junte o azeite, os orégãos, a pimenta e o alho esmagado e mexer tudo bem novamente. Cubra as pernas de frango com esta marinada e deixe repousar no frio (idealmente algumas horas, se bem que eu não pude esperar quase nada).
Levar as pernas de frango ao forno durante cerca de 20 minutos.
Sirva com um arroz basmati e uma salada verde.

Ficaram mesmo boas, estas perninhas.

Bom apetite

sexta-feira, 24 de abril de 2015

Acordar de sobrolho franzido

Ainda ontem um dia espetacular, um Sol lindo, calor, a minha filha a perdir-me para começar a levar mangas curtas, e hoje..... isto.
Acordaram de sobrolho franzido, a perguntar: "Mas está a chover?"
Não, ainda não, mas dão chuva para o dia inteiro, e as cores cinza voltaram ao céu.
Buaaaahhhhh!!!!

quarta-feira, 22 de abril de 2015

E mais de 6 meses depois....

Livrei-me do estudo!
Foram mais de 6 meses agarada aos livros. Todo o santo serão, todo o santo fim de semana, até de férias os livros íam comigo. Isto tudo só por causa de uma matéria. Não foram 2 nem 3 nem 6. Aquilo era duro, toda a gente o dizia, e eu marrei e marrei e marrei. Comprometi-me comigo própria e com outros que não chumbaria, que isso traria um desfalque financeiro elevado, para além do desfalque mental que este compromisso já me provocou.
Hoje acabou. Acabou tudo. O sofrimento, a ansiedade, os serões agarada aos livros. Depois de 3h30m a fazer um exame, quando o ecrã me mostrou "Congratulations", eu até comecei a chorar tal é a descompensação na qual ando.
Foi demais. E não me meto noutra tão depressa.
Porra!!!

segunda-feira, 20 de abril de 2015

Coisas "porcalhonas" que já não consigo perceber desta sociedade

Vinha a descer uma movimentada e grande avenida lisboeta. Em cima do passeio, do lado onde eu circulava, estava um táxi parado de porta aberta. O taxista estava cá fora, em pé, de costas voltadas para a estrada e a olhar para dentro do táxi. Reparei que tinha as pernas ligeiramente afastadas e pensei: "Não me digas que está a fazer xixi para dentro do carro....".
Não, não estava a fazê-lo para dentro do carro, estava a fazê-lo para o chão, ali mesmo a raspar a porta ABERTA do táxi.
E quem ficou de boca aberta fui eu. Então em vez de se esconder por trás do táxi, põe-se à frente de toda a gente, numa hora de MUITA movimentação, a fazer xixi em cima do passeio, e cujas gotículas foram parar, inevitavelmente, dentro do táxi aberto?
A sério. Há faltas de "chá" que eu já não consio compreender. Sinceramente até pensei que estes "alívios" públicos já nem aconteciam. Inocência minha.....

domingo, 19 de abril de 2015

Às vezes, acho que tenho um potencial José Saramago em casa

O meu filho tem 9 anos, e devora livros. Come-os, suga-os até ao tutano, engole-lhes as histórias enquanto o diabo esfrega um olho. Lê tudo o que lhe aparece à frente, é uma coisa por demais. Enquanto os outros pais insistem para que os filhos leiam, eu já lhe cheguei a tirar livros das mãos. Ainda ontem dei graças a Deus por ter tido um jogo de futebol com os amigos durante a tarde, para não o ver absorto no mesmo livro a tarde inteira. No outro dia, depois de me dizer com ar de calimero que já tinha lido todos os livros que lhe tinham dado nos anos e Natal (deram-lhe, ao todo, para aí uns 13), achei que ele já teria maturidade para se iniciar na saga do Harry Potter. E assim foi. Dei-lhe o primeiro livro, não consigo precisar, mas foi seguramente há menos de um mês. Neste momento já vai no 6º livro. Falta-lhe 1 portanto. Devora aquilo com uma rapidez estonteante. Não sei quantos quilómetros de frases já terá sugado para aquela cabecinha desde que se iniciou no fabuloso mundo das leituras de livros. Mas já foram mesmo muitos milhares.
Ele às vezes diz que quer ser escritor, já me perguntou várias vezes se se ganha um bom dinheiro com essa profissão. Já lhe respondi que depende, em todas as profissões se ganha um bom dinheiro se formos realmente bons. A ver vamos! Mas isto até me deixa preocupada.

sexta-feira, 17 de abril de 2015

E hoje lá estava ela outra vez

No mesmo sítio, à mesma hora.


Mas hoje vi-a voar para aqui, e depois fartou-se de andar para um lado no pouco tempo que estive parada a vê-la. Acho que um dia destes ainda faço uma amiga matinal.. eheheh ;)


quinta-feira, 16 de abril de 2015

Informação sobre Meditação

Dado que é um tema que me toma particular interesse nesta altura da minha vida, partilho convosco pois achei mesmo muito interessante :)

A meditação é uma das grandes ferramentas, desde há milénios, para atingir paz de espírito, harmonia, concentração e iluminação, trazendo uma série de benefícios para a saúde física e mental.  É ainda a arma mais poderosa contra as doenças que são fruto das sociedades modernas, como o stress e esgotamento nervoso. No entanto, nos dias de hoje, ainda encontramos uma série de mitos que normalmente são usados como desculpa para não tentar a meditação. Vamos enumerar alguns desses mitos e ao mesmo tempo desmitificá-los, tentando provar de que na realidade não existe qualquer razão para que não se medite com alguma frequência.
Para meditar, é necessário ter algum tipo de crença espiritual ou religiosa - Não será necessário para meditar acreditar em Deus ou em qualquer outra entidade divina, embora seja completamente natural que algumas práticas religiosas incluam técnicas de meditação. O acto de meditar poderá ter tanta conexão espiritual ou religiosa como o acto de comer ou respirar, dependendo sempre da pessoa que medita.
Meditar consiste em esvaziar a mente de pensamentos - Quase verdadeiro. Na verdade, a meditação tem como principal objectivo atingir calma e paz, tendo como consequência natural o esvaziar a mente de pensamentos. O que normalmente desencoraja as pessoas que tentam meditar é o objectivo com que o fazem: limpar a mente de pensamentos. Esta carga é extremamente penosa e praticamente sabota toda a experiência de meditação logo à partida, causando stress à pessoa que tenta limpar a sua mente. O foco deve estar num ponto, seja ele qual for, e não na consequência de uma meditação bem sucedida.
Meditar deve compreender um período de pelo menos 30 minutos - Não há uma quantidade de tempo específica que cada meditação deve durar. Colocar um relógio numa meditação é tão nefasto quanto o objectivo de limpar a mente de pensamentos. É perfeitamente compreensível que se comece por meditações guiadas com limite de tempo, que podem ajudar nas visualizações, no entanto, períodos curtos de meditação de 5, 3 ou até mesmo 1 minuto poderão ser igualmente eficazes. O ideal será encontrar o tempo com que cada um se sentirá à vontade, sem ter pressão de cumprir algo pré-definido.

Para meditar, terá de estar sentado sobre um tapete, no meio da natureza, longe de tudo e todos - É claro que será necessária alguma reclusão para meditar, mas existem várias formas, várias posições e qualquer sítio poderá servir para o efeito. É possível meditar num comboio em hora de ponta, assim como numa casa de banho no trabalho, numa pausa de cinco minutos.

É necessário seguir uma tradição específica para que se consiga meditar verdadeiramente - O ter um mestre ou seguir os ensinamentos de uma escola especifica poderá ser um grande ponto de partida para uma prática de meditação bem sucedida, no entanto, também poderá ser um motivo de incompatibilidade. Basta uma experiência menos boa com um tipo de escola ou método para afastar a pessoa da prática da meditação

Para terminar e resumindo, a segunda regra da meditação que deve ser tida em conta é que a pessoa que medita tem que estar em contacto com aquilo que sente. Sem máscaras, sem subterfúgios. Cada um terá de encontrar o seu caminho, no meio de todos os disponíveis. As regras e os métodos que existem não serão forçosamente aqueles que poderão resultar. A experiência da meditação deverá ser uma busca pessoal pela paz e tranquilidade. Uma forma de estar e ser uno consigo mesmo.

quarta-feira, 15 de abril de 2015

Relógios Swatch Sucks

Os meus filhos têm, cada um deles, um relógio swatch (flik flak). Começaram a usá-los com mais frequência há poucos meses, porque antes só usavam quando o rei fazia anos, mas agora tomaram-lhe o gosto e o meu filho mais velho nem o tira para dormir. Pois é, mas acontece que um relógio destes da swatch, que custam todos entre 30 e 40€ e daí não serem pechincha nenhuma, não está minimamente preparado para o uso por crianças. Em ambos já se partiu a parte do fecho (não sei se é assim que se diz) em 3 tempos, e eles não são propriamente das crianças mais rebeldes. Aquilo é hiper frágil, e agora estão ambos sem conseguirem usar o relógio porque não se consegue prender a bracelete e aquilo vai alargando, alargando....
Nunca mais compro relógios para eles na swatch (flik flak)!
Para ser tão ranhoso, vou ao chinês e não preciso largar quase 40€ por um relógio que nem 6 meses dura.
E agora? Que relógios de crianças é que há com os fechos sem serem de plástico? alguém tem outras ideias?

terça-feira, 14 de abril de 2015

Elá! E eu que nem gosto nada de sushi, não é?

Sabiam disto?



Olhem lá o que eu vi à beira da 2ª circular

Isto não é uma garça?


Ali perdida, como se estivesse no Alentejo a ver o gado por ali andar. Mas não, em vez de gado, via carros, de um lado para o outro, admirada, e pouco se mexia do sítio de onde estava. Como terá ido ali parar? estranho. Acho que nunca tinha visto tal animal sem ser na natureza calma e relaxante.
Tadinha. Até tive vontade de a ir buscar!

segunda-feira, 13 de abril de 2015

E agora... uma última chamada

Antes de eu compilar os resultados :)
Vamos a isso?
Para quem ainda não perdeu 30 segundos no meu pequeníssimo inquérito, fica aqui um último pedido:

https://pt.surveymonkey.com/s/XT6N5TG

Homens que passam por aqui pelo blogue de vez em quando, Preciso de vós, que tenho poucos homens com respostas. Vá lá malta!!!


Beeeemmmmm ... que história sinistra

É mesmo digna de filme!
Agora resta saber se quiseram fazer uma história real a partir do sonho de um maluco qualquer, ou se há algum fundo de verdade nisto tudo. Coitada da princesa Diana que, tanto tempo depois da sua morte, ainda lhe andam a tentar desvendar segredos macabros.
É que a ser verdade... é uma grande bronca!!!

http://www.msn.com/pt-pt/entretenimento/story/princesa-diana-tem-filha-secreta/ar-AAaEu2k


A "panca" dos relógios adiantados

Já perdi a conta à quantidade de gente que vi com o relógio adiantado. Alguns só 5 minutos, outros 10, outros nem sei bem.
Eu, ingenuazinha como tudo, reporto sempre a questão, dizendo:
- Ah! Olha que não tens o relógio certo, sabes?
- Sim, eu sei. É mesmo de propósito.

Confesso que fico sempre com um ponto de interrogação nos miolos. Então se sabem que está adiantado, qual é o benefício? É fingirem que não sabem para andarem sempre a horas? Mas tendo noção de que está adiantado, de que serve? É que mentalmente devem a andar sempre a fazer contas de cabeça, de cada vez que olham para o relógio.

Para mim, que sou verdadeiramente maluquinha pelas horas certas, pontualidade, respeito pela espera dos outros, etc, isto é coisa que me encanita com os nervos. Mas pronto, isto cada um é que sabe de si, não é verdade?

sexta-feira, 10 de abril de 2015

O Pânico voltou a assombrar-me

Há meses que não tinha um ataque de pânico. Acho que a última vez que tive foi para aí em Setembro, sendo que me lembro ter andado bastante mal em Outubro mas apenas com sintomas permanentes de ansiedade mais ou menos controláveis. Foi a última vez que fui à psicóloga e não voltei mais porque me sentia bem. Passei a estar mais confiante, mais alegre, mais controlada, e o mais que sentia às vezes eram uns calorzinhos a começar a subir, sentir o corpo um pouco mais ansioso, mas eu atacava logo com os meus exercícios para travar a subida do ataque e não voltei a ter mais nenhum. Até esta semana. Logo na 2ª feira, 1º dia do regresso de férias. Enquanto almoçava com uns colegas (grupo com o qual também já tinha tido um há uns bons meses atrás), comecei a senti-lo trepar por mim acima, e não o consegui parar. Deixei-me ficar, encarnada que nem um tomate, cheia de suores e a tremer por todo o lado, à espera que passasse. Um colega perguntou se eu estava bem - disse-lhe logo que não, que estava a ter um ataque de pânico. Houve outro que me disse, na maior das calmas, que respirasse, e lá foi passando, mas a muito custo. Foi forte, demorou muito a passar, e sinceramente acho que nem chegou a passar por completo enquanto não saí daquele sítio. Fiquei de rastos. Porque senti que tanto tempo conseguido em recuperação, tinha ido pelo cano abaixo, tinha voltado à estaca zero. Esta semana andei mal. Retomei o yoga depois de uma semana de interregno e hoje, 6ª feira, sinto-me bem melhor, mas ainda muito longe do ponto onde estava. Que raio, pá! tanto tempo bem e, assim do nada, assim de repente, volta tudo outra vez, caí ao 1º degrau de uma escadaria que estava quase toda subida. E agora? Levantar a cabeça, ganhar forças, e subir outra vez, degrau a degrau, um dia de cada vez.
Bolas!