segunda-feira, 25 de julho de 2016

Não estaremos já numa 3ª guerra mundial?

A sério, isto não é normal.
Nos últimos dias, a quantidade de atentados é uma coisa aterrorizadora. Na 6ª feira foi em Munique, ontem à noite em Nuremberga. Desta vez, o bombista queria fazer-se explodir num festival. Mas "por acaso" não levava bilhete e não o deixaram entrar. E se levasse? E se fosse uma pessoa com um planeamento mais sério da coisa e levasse bilhete, quantas pessoas inocentes teriam morrido de forma bárbara?
Mesmo assim, há vários mortos e feridos, mais uma vez, uma tragédia.
Acho que já estamos numa 3ª guerra mundial não declarada abertamente. O estado islâmico quer apoderar-se da Europa e dos que lhes são hostis, pelo que a procissão ainda deve ir, infelizmente, no adro.
Que medo, senhores. que ME-DO!

quarta-feira, 20 de julho de 2016

Voltei ao stress máximo

Voltei às noites mal dormidas à conta do trabalho. Problemas e mais problemas para resolver deixaram-me ontem com os miolos em hiperatividade. Virava para um lado, virava para o outro, tentava meditar..... E nada. A cabeça não obedecia, o corpo não descansava. 
Devo ter dormido 2h máximo e acordei cheia de peso no corpo. Ninguém merece. A sério! Ter de levar na cabeça todos os problemas do trabalho para casa, já cansa. E as minhas férias ainda não estão aí, ao virar da esquina. Socorro!!!

domingo, 17 de julho de 2016

Berbigões

Que saudades que eu tinha disto!
O homem cá de casa tem alguma dificuldade em aceitar conchas cá por casa e eu vou evitando. Mas os meus filhos também adoram e de vez em quando tem de haver um escape. E ontem, enquanto esperava que as peixeiras me amanhassem o peixe no supermercado, peguei num saquinho de berbigões.
E ficaram tão bons. A receita é minha, influenciada pela forma como a minha mãe os costumava fazer. E logo hoje que chegámos da praia esfomeados, foi um petisco que soube aos céus!


Ingredientes:

1 kg de berbigões
2 tomates
1 cebola picada
azeite q.b
1/2 copo de vinho branco
coentros picados q.b
sal q.b

Comece por colocar os berbigões em água abundante com sal durante algumas horas. Vá mudando a água de vez em quando para largarem alguma areia que possam ter.
Numa frigideira larga, deite a cebola picada e regue com uma boa dose de azeite. Deixe refogar e junte depois os tomates sem pele e cortados em pedaços pequeninos. Quando levantar fervura junte os berbigões e tape durante alguns minutos. Quando estiverem abertos, regue com o vinho branco e tape-os mais alguns minutos.
Pode juntar um pouco de sal a gosto (eu não juntei porque sou muito pouco saleira), e polvilhe com os coentros picados.
Envolva tudo muito bem e....

Bom Apetite!

segunda-feira, 11 de julho de 2016

Eu hoje vi o Cristiano Ronaldo

Hoje vi os nossos campeões. Assim de repente, e sem ter programado nada, quase fui levada pela mão de uma colega a um ajuntamento de portugueses orgulhosos que esperavam o autocarro épico!
Não esperei quase nada, e tive uma vista privilegiada para os nossos meninos.
Gritei, cantei, saltei, fotografei. Uma onda de felicidade invadia todas aquelas pessoas que lhes acenavam, felizes, orgulhosas.
Vi um Cristiano em êxtase, que batia palmas, sorria e dizia adeus para as pessoas, uma felicidade imensa estampada nas caras e na linguagem corporal de todos aqueles atletas.
Ao final da tarde, quando percorri certas ruas da capital, vi dezenas de bandeiras nos carros, pessoas com cachecóis, lenços na cabeça, bandeiras nas mãos, carros com bandeiras enormes a esvoaçarem ao movimento, pessoas que se cumprimentavam com convicção e profundo afeto.
Portugal está feliz, orgulhoso, nem cabe nele de tanta alegria. Estamos muito (demasiado) habituados a perder, e este facto vai ficar na história deste pequeno país cheio de gente talentosa.
Portugal já merecia isto, e nós jamais nos vamos esquecer desta vitória merecida.
Parabéns Portugal!!! Afinal, quando queremos, conseguimos vencer tudo e todos! Viva Portugal!!!




























O Cristiano Ronaldo é o penúltimo, com as mãos à frente porque batia palmas. O Quaresma está ao seu lado :)

Campeões

Vi o jogo do primeiro ao último minuto.
Para mim, que nem gosto de futebol, este jogo vi-o com prazer. Até me fartei de comentar tal qual treinadores de bancada que tão bem conheço.
O Rui Patrício foi o Nosso homem. Não fosse ele e nem tínhamos ido a prolongamento.
Os franceses foram muito sujos. Atacaram o Cristiano logo de início para o tirarem dali para fora e estarem mais à vontade em campo. Mas o feitiço virou-se contra o feiticeiro. E tiveram azar do princípio ao fim, com tanto remate nem um conseguiu entrar na baliza.
Foi a nossa sorte. E tivemos também muita, depois do azar de Cristiano.
Mas os franceses engoliram um grande sapo. E foi muito bem feita.
Viva Portugal!!!!

sexta-feira, 8 de julho de 2016

Cristiano?

Embora não goste nem perceba nada de futebol, tenho visto mais ou menos os jogos da seleção. E realmente faz-me confusão ver um Cristiano Ronaldo meio apagado, que só pega na bola quando esta chega ao pé de si, ainda que esses momentos sejam muitas vezes felizes e eficazes. Tenho visto/lido muitas críticas a Ronaldo. Em conversa com colegas que supostamente percebem de futebol, dizem-me que é mesmo assim, que é estratégia, que o Ronaldo tem de aguentar o jogo todo, e que os adversários andam depois sempre de volta dele e tal, e tal...
Mas lá que eu tenho saudades de o ver a correr que nem uma gazela como no euro 2004, a fintar que nem um maluco, e com uma atividade impressionante em campo, lá isso tenho.
Por que ages tu assim Ronaldo?




segunda-feira, 4 de julho de 2016

Profissões para os nossos filhos

Ontem, por causa da morte da Camilo de Oliveira (descanse em Paz, um senhor de um humor muito característico), estava a dar na TV uma entrevista sua, que tinha dado em tempos ao programa Alta Definição. Dizia então ele que nunca tinha querido que os seus filhos seguissem as suas pisadas em termos profissionais, ao que, quando questionado o porquê, dizia que era porque sabia bem o que tinha passado durante toda a sua vida profissional, de todos os problemas e obstáculos que tivera de ultrapassar, e não os queria a passar por isso. 
Depois, lembrei-me que também já ouvi amigos médicos a dizerem o mesmo em relação às suas profissões, já ouvi informáticos com a mesma conversa, professores e sei lá mais quantos outros.
Todos nós queremos o melhor para os nossos filhos, que sejam felizes, que os possamos proteger de certas adversidades, mas.... Pergunto eu:
Haverá alguma profissão na terra sem chatices, obstáculos, gente má e mesquinha para lidar?
Pois se conhecerem digam, que eu gostava de poder aconselhar os meus filhos daqui a uns anitos (não muitos, que isto passa num instante), e sinceranente não sei bem é se não têm mesmo é de saber lidar com todas estas dificuldades e aprender realmente o que é a vida.
Porque empregos de sonho não há, vidas de novela não existem, e a vida aprende-se com a realidade.
E vocês? Há por aí alguém com uma profissão que recomendem a filhos?
Eu agradeço conhecer :)

quarta-feira, 29 de junho de 2016

Darwin's café

Fui lá no outro dia e ainda não tinha dito nada sobre o assunto aqui no blog.
Fui porque já por várias vezes me tinham dito que era ótimo, e porque também me apetecia uma vista daquelas.
Fomos e não ficamos dececionados. Bem pelo contrário. Faz jus a todos os elogios que já tinha ouvido. A comida é ótima, a vista fantástica, bons empregados, bom ambiente. Não é um restaurante barato, mas também não é caro tendo em conta a qualidade e a vista, e achei-o, principalmente, muito sossegado. Poder olhar para o rio daquele sítio, tendo em conta que é a parte de trás da fundação champalimaud, é magnífico porque passam por ali poucas pessoas (sendo atrás do edifício), e vive-se uma calma enorme por ali (ou pelo menos naquele dia em que fui, estava muito calmo).
Adorei! Esqueci-me de tirar fotografias à comida, que estava maravilhosa, mas aqui ficam umas fotos da Net para relembrarem o sítio.
Vale bem a pena.



sexta-feira, 24 de junho de 2016

Brexit

Ai C'aredo!
E agora temos mais uma série de países a querer referendar.
Não fosse eu pertencer a um dos países mais pobres e desgraçados desta zona euro, e estaria a bater palmas só para ver a cara de melão da Merkl e companheiros que tudo fazem para esmifrar os países pequenos e enriquecer as suas gentes arrogantes.

Mas que grande chapada! Mas que grande problema! Mas que marco histórico este, que vai enriquecer os manuais de história das criancinhas.

Agora estou para ver o que aí vem.... o primeiro passo, o mito proibido, o risco elevado, o sair da zona de conforto...já aconteceu!


quarta-feira, 22 de junho de 2016

Sorriso Amarelo

Portugal passou aos oitavos de final do europeu. Não gosto de futebol e não ligo, mas isto quando toca a ser o país inteiro em jogo, o futebol torna-se numa questão mais profunda. Mas a nossa performance está muito aquém das expectativas, e custa-me que ainda só tenhamos conseguido empatar jogos.
É que ainda não jogámos contra nenhuma alemanha, itália ou espanha, pá! Só jogámos contra países que eu, sinceramente, nem imaginei que conseguissem estar apurados para um europeu. Enfim, estou mais ou menos assim...


domingo, 19 de junho de 2016

Salada de Massa Integral com paio york

Uma primeira saladinha para um dos  primeiros dias quentes de Junho.

Ingredientes (para 2 pessoas):
Massa integral q.b.
2 alperces
2 tomates
Folhas de alface iceberg
Azeitonas descaroçadas q.b.
Queijo feta esfarelado q.b.
6 fatias de paio york às tiras

Cozer a massa em água com sal, depois juntar a todos os outros ingredientes, devidamente cortados em pedaços. Adicionar uma pitada de sal, alguns orégãos e servir.

Muito boa, leve, fresca a saudável. Que mais se quer?

Bom apetite!!



quinta-feira, 16 de junho de 2016

As férias ... Dos outros

Esta semana era para ter ido de férias. Os miúdos acabaram a parte escolar, havia feriados bons para prolongar o tempo de lazer, e as minhas férias grandes são só na segunda quinzena de agosto, o que dá ainda muito tempo a penar pelo descanso. Mas as coisas não se proporcionaram nesse sentido e acabámos a trabalhar. E como meio mundo está de férias, os outros mouros que lá ficam trabalham o dobro ou o triplo para compensarem a falta dos colegas. É o que estou a sentir hoje, depois de apenas 3 dias de trabalho que parecem 7. Têm sido dias loucos em que  não páro um minuto, tento que os que lá estão consigam colmatar o trabalho dos que faltam, e pareço uma louca a subir e descer escadas, a falar com meio mundo pelos corredores, atendo chamadas e falo pelo skype ao mesmo tempo, interrompem-me quando estou concentrada de volta de algo, e para simpaticamente dar a entender que a interrupção já vai longa, ponho-me a escrever mails enquanto os outros falam (falta de educação, eu sei), mas o dia não chega para tudo, e eu tenho hora marcada de saída porque os meus filhos estão à minha espera na escola, e agora ainda por cima tenho de os ir buscar mais cedo, que as atividades acabam às 17:00h.
Ufa, pá!! Esta vida dá mesmo cabo de qualquer um. Mas porque é que as mulheres quiseram começar a trabalhar? Para isto? Bolas!!!

domingo, 12 de junho de 2016

Amêijoas??? O que é isso???

Ontem, nas minhas habituais compras semanais de supermercado, abeirei-me da secção dos congelados e queria trazer umas amêijoas. Como não via os sacos do costume para onde o próprio cliente costuma tirar o marisco que quer, perguntei a uma funcionária que fazia  reposição de stock ali ao lado como tirava as amêijoas. Como ela viu que não haviam realmente sacos disponíveis, pediu a um rapaz auxiliar que estava atrás do balcão:
- oh "qq coisa" (não fixei o nome), podes dar aqui umas amêijoas a esta senhora?
Resposta preocupada do rapaz:
- mas eu não sei o que são amêijoas...
Ela, na maior descontração:
- são estas que estão aqui nesta secção (apontando para as ditas).
O rapaz pegou então no saco e eu ofereci-me para as tirar.
Mas fiquei de boca aberta: então um rapaz aí na casa dos vintes, a trabalhar num supermercado, não sabe o que são amêijoas? Eu às vezes sinto mesmo que há uma faixa da sociedade portuguesa que me passa completamente ao lado, o que faz com que eu não saiba bem qual é a realidade portuguesa. Tão chocada fiquei com a falta de conhecimento do rapaz, como com a descontração da rapariga ao aperceber-se do desconhecimento. Oh senhores, que sociedade é esta???

quinta-feira, 9 de junho de 2016

As Demonstrações Gays.... já se notam bem

Sempre houve muito pudor em Portugal acerca deste assunto. Podiam ser gays e andarem juntos, podia toda a gente saber disso e mais um par de botas, mas nada se via em público. Ficava tudo no segredo dos deuses, na imaginação de cada um.
Mas os tempos estão a mudar, e Portugal também.
Quando fui ao Rock in Rio, apesar de achar que a envolvência tinha um bom ambiente, nada de gente esquisita ou com ar perigoso, estavam à minha frente um casal de homens gay que, de vez em quando, gostava de se roçar no pescoço um do outro, e lá saía uma beijoca.
Tinham os 2 uma barbicha mal feita, eram ainda bastante novos (vinte e poucos), e não tinham vergonha nenhuma em se expor. Mas estávamos num concerto, supostamente num local mais descontraído e atreito a cenas alternativas (se é que assim se pode chamar), e a coisa passou mais ou menos como natural na minha cabeça.
Ontem tive de ir à Avenida da Liberdade, em pleno centro de Lisboa. Estava com a minha filha de um lado para o outro, a fazer tempo para uma consulta, quando vejo novamente um casal de homens gay sentados num dos muitos bancos de jardim que por ali abundam.
Estavam a dar beijinhos na boca, e a abraçarem-se ali à frente de toda a gente.
Atenção que eu não tenho absolutamente nada contra os gay, que ninguém tem culpa de ser como é ou de sentir o que sente. É a vida, a natureza, as circunstâncias, e toda a gente tem o direito de lutar para ser feliz. E olhem que o que escrevo é bem sincero.
Mas a questão é que eu senti que ainda não estou preparada para isto. Esta naturalidade solta que teremos de explicar aos nossos filhos, esta multi-aceitação natural com a qual temos de lidar faz-me ainda confusão. Se calhar tem de ser assim, as pessoas têm de se ir acostumando, mas isto é estranho.
O que pensarão as crianças? Que afinal é só escolher se preferimos homens ou mulheres? É que eles já são tão baralhadinhos das ideias no que as estas matérias diz respeito. Com 5 ou 6 aninhos aquilo deve ser a confusão total.
Mas resumindo: Ainda me mete confusão. Não sei lidar com esta naturalidade, e preferia que houvesse mais (algum) decoro.
E é só!

segunda-feira, 6 de junho de 2016

A Fé ainda move muitas multidões

No sábado passado fui a uma procissão. E não, não foi na aldeia. Foi em plena cidade de Lisboa, numa noite de chuva que não demoveu os fiéis. Confesso que fiquei impressionada com a quantidade de gente que compareceu, apesar do vento insistir em apagar as velas, e os guarda chuvas atrapalharem o percurso das pessoas encavalitadas umas nas outras. Durou uma hora, e por ali passámos no meio dos prédios, das avenidas, do trânsito parado. A Fé move multidões estejam estas onde estiverem. E é bonito, tocante, comovente até. Gostei muito.