terça-feira, 19 de agosto de 2014

E finalmente...

Nos Algarves. Boa temperatura, nem frio nem muito calor (por enquanto). A água do mar hoje estava um caldinho, e a paz reina por estes lados. Ah...


sábado, 16 de agosto de 2014

Relax

Para mim, continua a não haver melhor forma de relaxar que não seja olhar o mar. Seja ele qual for, em que altura do ano seja. É o mar, e pronto. 


quinta-feira, 14 de agosto de 2014

Há mais de uma década que não fazia isto...

Jogar Bowling...
Os miúdos deliraram (eu também), e foi mesmo um serão bem passado. Às vezes tenho pena de não haver em Lisboa, oportunidades destas assim à mão, onde as crianças também possam participar. Parece que é mais fácil nas terrinhas. Enfim, mas que foi muit'a giro, lá isso foi. 


Ó pr'ó sapatinho :) 



terça-feira, 12 de agosto de 2014

Curiosidades....

Vir de férias, e dar de caras com as filmagens do Água de Mar. Ele é Sofia Aparício, Sónia Balacó, Mariana Monteiro, Jorge Corrula, Mafalda Vilhena e tantos outros... Tudo na praia a filmar :)


domingo, 10 de agosto de 2014

6 Anos

Há 6 anos atrás, a minha vida passou a ser mais cor-de-rosa. De um parto simples e tranquilo, numa madrugada quase deserta no Hospital Cuf Descobertas, nascia a minha princesa.
Os meus receios em educar uma menina têm vindo a desvanecer-se ao longo dos tempos, por ser tão tranquilo e compensador lidar contigo. Às vezes, acho mesmo que vieste ao mundo para me dar uma lição de vida. E para me ir tornando, a pouco e pouco, uma pessoa melhor.
Parabéns minha boneca. És linda!!!


sexta-feira, 8 de agosto de 2014

E finalmente....

De férias!


Sinto um forte pressentimento (porque será?) de que não vou ter um único dia de férias com o tempo que parece estar aqui na imagem de cima, mas....
Ainda assim, só o sair da rotina e esquecer-me momentaneamente do que me apoquenta, vai ser muito bom.
yupiiiii....


CountDown #1

Falta 1 dia. 1 dia de trabalho para ir de férias e libertar-me de certos problemas durante quase 3 semanas.
Até que enfim. Que isto de estar a trabalhar e ver toda a gente ir de férias, custa, e muito.
É só mais um bocadinho assim...pequenino!


quinta-feira, 7 de agosto de 2014

Canta no duche?

Desde sempre que ouvi esta expressão. Porque parece que é mais do que frequente as pessoas cantarem no duche. Eu nunca cantei e nunca vivi com ninguém que cantasse. Contudo, acredito que seja um pouco mais do que um mito urbano. E de há uns dias para cá, tive a certeza. O meu filho, que começou a tomar banho sozinho há pouco tempo, resolveu começar a cantar no banho. Cantarola, bem alto, músicas que vêm da sua cabecinha, e lá fica ele, todo contente a desfrutar do momento. O pior é que, tendo ele uma quantidade de genes meus considerável, até mais do que eu desejaria, o miúdio canta mal como tudo, tal e qual como eu.
Mas eu vou aguentar-me. Vou deixá-lo, que uma criança tem de desenvolver as ações que lhe dão prazer. É fechar ligeiramente as portas, e abstrair-me.
Avé!


quarta-feira, 6 de agosto de 2014

Medos

Neste momento, faço mentalmente uma lista de bancos possíveis onde guardar dinheiro. A Banca, a ver pelas ações do dia de hoje, parece estar à beira do colapso, e a vaga ideia de perder poupaças de uma vida (ou meia, vá) de trabalho, aterroriza-me. A mim e a toda a gente. Por isso, hoje soube de bancos que nem os conhecia como algo de palpável. Realmente ainda há muitos bancos em Portugal. Virtuais, físicos, on-line, cotados em bolsa, modestos, apagados e estrangeiros. E uma pessoa, perante todas estas notícias de terror, fica com vontade de levantar tudo e colocar debaixo do colchão.

terça-feira, 5 de agosto de 2014

A Fada Oriana

Há muitos, muitos anos atrás (para aí uns 30, cof, cof...), andava eu na escola primária quando me leram esta história. A minha professora primária, a competentíssima e queridíssima Drª Isabel Réfega, responsável em muito por algumas das minhas características (nomeadamente a de conseguir escrever os "às" com acento grave, saber distinguir o "há" de haver do outro "à", e de não dizer "Ó Você", mas "O Senhor"), resolveu ler esta história a toda a turma, mesmo sendo nós já uns meninos da primária e não da pré. Ficou-me na memória a forma delicada e assertiva com que a contava, e o momento em que ela decidia ler-nos mais um capítulo era uma verdadeira emoção. No outro dia, deambulando por uma livraria, vi o livro e nem pensei duas vezes para decidir comprá-lo. Decidi de imediato que o iria ler aos meus filhos, todos os dias um capítulo, tal como ela o fazia. Já não me lembrava da história, é um facto, mas percebo agora a razão de ela ter decidido contá-la. Uma história linda da Sophia de Mello Breyner que, didaticamente, explica as boas e más ações que por vezes tomamos. O bom e o mau caminho, as consequências das nossas decisões.
Os meus filhos têm agradecido e suplicado sempre mais um bocadinho de leitura. Neste momento, estou a um capítulo do final (terminarei o livro, em princípio, amanhã), e sinto-me muito feliz por lhes ter proporcionado estes momentos. Nunca me esqueci do impacto que teve em mim a leitura da história, em voz alta, pela minha professora. E estou à espera que o ciclo se repita, com os meus meninos lindos. Uma história de vida...que fica para a vida.


segunda-feira, 4 de agosto de 2014

Duas vezes burlada

Hoje sinto-me mal. Muito mal. Perdi dinheiro de repente porque criaram um banco bom e um banco mau. E acharam que a minha parte estava no mau. Já é a 2ª vez que perco dinheiro por fraude de instituições financeiras, e por eu confiar, assim mais ou menos, nelas. Sinto-me uma parva, uma burra, uma defraudada. Em vez de gastar o dinheiro a gozá-lo, não. Perdi-o feita parva, porque parvinha como sou, só quero é poupar. E como ninguém, pelos vistos, enriquece a trabalhar, tentei jogar-me noutros instrumentos que me fizessem não duplicar, mas aumentar significativamente alguns dos rendimentos.
Sinto-me muito mal hoje. É a segunda vez que me acontece. E a quem fez as burlas ainda não vi acontecer nada. Ainda que da minha primeira vez(a da burla), já se tenham passado mais de 8 anos. É o país em que vivemos. Um país sem justiça. E nós que aguentemos como injustiçados, que ninguém nos vem cá fazer festinhas nem minimizar os estragos. Estou tão farta!!!

Opá, só me apetece ir para casa

Seriously....
Isto está a custar tanto, tanto!
Última semana de trabalho, o countdown já está somente em 5 dias, e ainda assim....que terrível esta espera. Os últimos dias custam sempre, mas não me lembro de estar já quase a ficar deprimida com o facto. Acho que para o ano tenho de ir de férias mais cedo. E ainda tenho tanta coisa para deixar adiantada antes de me pôr ao fresco. Ou melhor...ao calorzinho, esperemos, que aqui a menina quer é praia, e da boa!

domingo, 3 de agosto de 2014

Lindo!

Parece que vou ficar acionista de algo que não vale "nada", porque vai passar a ser um "BES" mau.
Que lindo, não é? É assim que se resolvem os problemas em portugal. E nós, feitos parvos, a ver. Epá, é que corria agora tudo à estalada!
E que tal colocar-me à porta da casa do Sr. Ricardo Slagado e pedir-lhe os meus tostões como acionista? Para quem pagou 3 milhões de euros para não ficar em prisão preventiva, não deve ter problema nenhum em pagar uns tostões a quem quer ganhar, simplesmente, uns trocos!
Este país é tão vergonhoso, tão vergonhoso, que qualquer dia até deixo de falar a língua portuguesa com vergonha!
Não dá mesmo para conseguir ter orgulho nisto.

sexta-feira, 1 de agosto de 2014

Fazer o meu filho feliz...

Deixá-lo escolher uma modalidade desportiva não imposta pelos pais, e levá-lo a uma aula experimental. O puto vinha radiante :)


quinta-feira, 31 de julho de 2014

E ainda de algumas amizades

O que é que se faz quando, temos uma pessoa de quem gostamos muito, que tem connosco uma relação de colega e amiga, mas que mais nada faz do que nos falar em desgraças? Há dias em que eu já não aguento. Tenho em crer até, que o início dos meus ataques de pânico se deveram a tamanha convivência. Ele são histórias de idas ao hospital constantes, de sintomas estranhos, de dores de barriga, de músculos atrofiados, de articulações com problemas, de pulmões avariados, de ataques de ansiedade, de colunas com problemas e que precisam de fisioterapia recorrente, de médicos que fazem maus diagnósticos, de cirurgiões que fizeram mal a cirurgia, até de aviões que se lançaram mal à pista e foi por pouco que não ficou espetada no chão...epá..... eu há dias que estou no limite. E hoje já me estava a passar. A sério. É que eu já começo a ficar uma hipocondríaca consolidada, que ao mínimo sintoma acha que vai ter um treco. O que é que faço?