segunda-feira, 2 de maio de 2016

El verano...

Ainda falta um bocadinho, mas ele veio presentear-nos por uns dias, porque já merecíamos, depois de tanta chuva e frio.
Olhem para isto:


Estava tão bonito o mar....

terça-feira, 26 de abril de 2016

Da roupa... Again

Por ter aparecido, finalmente, um fim de semana de sol e ainda por cima prolongado, acho que fiz para aí umas 4 máquinas de roupa seguidas para dar vazão ao meu cesto que insiste em estar sempre cheio (a abarrotar...). Não tenho espaço para pendurar tanta roupa, mas que se lixe, havia de se arranjar. Pelo que com um estendal mais ou menos improvisado, e roupa mais ou menos por cima de outra roupa, a coisa lá se fez. Calorzinho bom!!!! Agora vem a parte dolorosa - passá-la! Ah, pois!!!

segunda-feira, 25 de abril de 2016

O silêncio

Para quem como eu vive diariamente numa cidade como Lisboa, que tem de levar com o barulho dos automóveis, das motas, dos aviões, das pessoas em geral, o silêncio do campo começa a ter outro sabor. Hoje não fui propriamente para o campo, mas sim para o rio, observar a riqueza das suas margens. Fomos até Escaroupim, fazer uma visita de barco pelo rio fora, observar as aves (imensas que por ali andam, vivem e se alimentam). Vimos cavalos numa das ilhotas, peixes a saltarem no rio, e aproveitámos o silêncio profundo que se consegue ter por ali. Só foi pena o barco que nos levava ter levado igualmente um grupo grande de pessoas com crianças que deu logo cabo do silêncio em mais de metade da viagem. Mas enfim, vicissitudes destes passeios não serem privados. Devo dizer que a empresa com a qual fizemos a viagem foi a Rio a Dentro, e o nosso comandante era simpaticíssimo, ajudou toda a gente a ver e a identificar as aves, tinha um jeito enorme para os miúdos, e acabou por ser uma grande ajuda para que a viagem corresse muito bem. Vale a pena uma experiência destas, e vale a pena também aproveitarem as iguarias do restaurante que lá está perto do cais (Escaroupim) que não se vão arrepender. 






quinta-feira, 21 de abril de 2016

O que eu gostava mesmo de saber....

Era o segredo da longevidade desta família.
A sua mãe morreu aos 104 anos e esta senhora, pela aparência e capacidades que ainda mantém aos 90 anos, deve chegar para aí aos 120. Também podem ser dos genes, é um facto. Mas palpita-me que há ali muita comidinha selecionada, exercício físico apropriado, horas de sono, etc, etc, etc.
Gostava de conhecer as suas rotinas diárias, as suas ementas, os seus rituais. Porque chegar a uma idade destas com esta qualidade de vida não é, infelizmente, para qualquer um. 


God Save the Queen!!!

quarta-feira, 20 de abril de 2016

E ao 3º dia... consegui dormir

O meu filho pegou-me uma constipação daquelas!!! Já não me constipava há muuuuiiiito tempo, e já nem me lembrava como isto me deitava abaixo. Apesar de andar só pelo nariz e garganta, deixa-me completamente KO, sem forças, e de pingo no nariz o tempo todo.
Há 2 noites que mal conseguia dormir. Da primeira vez tinha uma dor de garganta descomunal, que me fazia acordar constantemente, na 2ª noite era o nariz que não me deixava respirar convenientemente, e passei metade da noite em branco. Mas esta noite consegui. Não dormi como um bebé que ainda acordei uma vez, acho... mas descansei francamente bem. Estou é completamente mole na mesma, e cheia de sono porque dormia muuuuiiiito mais.
Mas vem aí um fim de semana grande, e é nisso que agora me foco.
Bom dia de trabalho para todos

domingo, 17 de abril de 2016

Francisco, o verdadeiro Papa

O Papa Francisco é a verdadeira referência do que é ser Papa. É verdade que não conheci muitos, apenas me lembro de 2 (Papa Joao Paulo II e Bento XVI), mas tenho ideia que cingiam a sua atividade aos protocolos formais, sem nunca pisar o risco, sem grandes atrevimentos. Este Papa exerce aquilo que é a verdadeira Santidade em Vida. Não olha a preconceitos, a posições já firmadas anteriormente pela Igreja Católica (veja-se o que diz dos homossexuais, divorciados, etc), não olha às diferenças culturais, credos, raças, opiniões. E para que fique bem lembrado, este Papa pegou em 12 cidadãos Sírios e levou-os para o Vaticano. Sírios, muçulmanos, e de uma cultura que historicamente tem dificuldades em lidar com o mundo ocidental. O Papa viu-os como pessoas comuns que só querem fugir da guerra e de quem lhes possa fazer mal, a si e às suas famílias. É verdadeiramente extraordinário aquilo que está a acontecer na vida da Igreja Católica. Mas a comunicação social prefere dar ênfase ao Jorge Jesus e ao Rui Vitória, e às desavenças e despiques futebolísticos  do mundo inteiro. 
Acho que pela primeira vez temos um verdadeiro Santo como Papa, que aplica toda a sua santidade em favor do mundo. Só espero que Deus ainda o deixe andar por cá uns bons tempos, porque o mundo precisa assistir a isto!!!
Obrigada Papa Francisco.

quinta-feira, 14 de abril de 2016

Cowspiracy

Hoje à hora de almoço falaram-me neste tema.
Nunca tinha ouvido falar e fiquei boquiaberta. Fui à procura de mais informação, e há bastante.
Afinal, o que realmente polui o planeta não é o CO2 emitido pelos veículos motores.
O que realmente está a dar cabo do planeta são as nossa amigas ... Vacas!!!
Elas e os seus puns, que são um perigo para o futuro na terra. Confusos? Incrédulos?

Então vejam o pequeno vídeo abaixo, ou façam uma pesquisa pelo título deste post, e pasmem-se como eu!!!

quarta-feira, 13 de abril de 2016

Cada um deita-se na cama que faz...

Um velho e sábio ditado que tantas vezes proferimos, por desejo que venha a acontecer a alguém ou porque constatamos certos factos da vida quotidiana. 
Nos últimos dias tenho assistido a uma queda valente de alguém que me está relativamente próximo profissionalmente. Uma pessoa que todos queriam ver no chão já há muito tempo mas que, por questões políticas, proteções estranhas, ou outro motivo qualquer que desconhecíamos, continuava de pedra e cal no cargo que ocupava. Fazia mal a tudo e a todos, era incompetente, causou vários danos à organização, mas,  apesar de tudo, lá continuava na sua vidinha, olhando de cima os demais que a queriam ver pelas costas. Até que finalmente aconteceu. Mais vale tarde do que nunca, e finalmente houve capacidade ou possibilidade (não sei bem) de a afastarem dali para fora. Reina um ar de felicidade na generalidade, um sabor a vingança, a dever cumprido. E hoje, como por acaso acabei por me cruzar com esta pessoa, só olhar para o seu rosto combalido deu-me pena. Muita pena! É verdade que quando se faz mal a muita gente durante muito tempo, é certo que algum dia a coisa acaba mal. Pode tardar (que foi bem o caso), mas acaba por acontecer, porque a vida tem de continuar e há coisas demasiado evidentes que tornam esse caminho incompatível. Mas continuando.... Não sei se é das minhas meditações sobre compaixão, não sei se é da meditação e da contemplação em geral, mas continuo com uma pena imensa. As minhas colegas admiram-se e perguntam como posso ter pena de alguém que fez tanto mal, mas a verdade é que não sei até que ponto estas pessoas têm consciência do mal que andam a fazer. Que mágoas têm, que vidas tiveram de viver, que realidades enfrentam diariamente, que frustrações lhes entopem a vida. E por isso, e porque não sei qual será o outro lado que desconhecemos, custa-me ver esta vida real agora dar-lhe uma bofetada tão dura e forte como a que vi. Mas o que é certo e que o ditado se concretizou. Acabou por se deitar mesmo na cama que fez durante tantos anos :(

terça-feira, 12 de abril de 2016

Oh tempo!!!!

Chuva!
E vento!
E frio!
E mais chuva!
Depois aparece o sol de repente e lá se vê um arco-íris.
E vento! E vento, e vento!
E hoje estacionei o carro ao sol.
E agora já está de chuva forte!

Bolas!!!
Mas quando é que vem a primavera? Quero Sol!!!!

sexta-feira, 8 de abril de 2016

Declarações/Decisões Sensatas - Sim senhora

Em primeiro lugar a declaração de ontem do nosso primeiro ministro não eleito (António Costa), acerca das "bofetadas" escritas na página pessoal de facebook de João soares. Disse, com muita calma e sensatez, que um membro do governo não se pode esquecer em momento algum que faz parte do governo. Muito Bem!! clap, clap, clap!

Segundo lugar para a demissão de hoje do ministro João Soares, que deve estar a passar por uma das maiores vergonhas da sua vida, e resolveu que a atitude mais sensata era a de se demitir, para não deixar a sua querida mãe (que como já aqui disse - era uma verdadeira Senhora), dar voltas no túmulo e fazê-la ter vergonha do filho que por cá deixou.
Muito bem também, agora já estamos livres de alguém que não tem, claramente, capacidade política para o cargo que estava a ocupar (alguma dívida de favores de António Costa para com ele, que, assim, ficará devidamente sanada - assim esperemos).

E agora vamos em frente que atrás vem gente!

quinta-feira, 7 de abril de 2016

Quem te dava uma bofetada era eu....





João Soares ameaça dar "um par de bofetadas" a críticos



E daquelas bem fortes, de forma a conseguir colocar-te fora do governo.
Chegou há tão pouco tempo, e o disparate tem sido tanto, que me parece ser preferível sair já antes que o estrago seja demasiado grande.

Portugal e o vento

Ando a começar a ficar realmente cansada e arreliada com o clima que temos por cá em terras lusas. Já num post sobre Itália falei disso, e penso que foi mesmo a viagem a Itália que me fez pensar mais no assunto - O vento.
Portugal, de há uns anos para cá, tem vento em mais de 90% dos dias do ano (esta é a minha perceção por odiar vento, não sei se todos, ou se a meteorologia, o confirmam). Mas é no Outono, Inverno, Primavera e, principalmente e agora mais incomodativo, no Verão. É todo o ano, todos os dias, em todas as situações.
Lembro-me quando era miúda e a minha mãe se queixar que, quando vinham os primeiros dias quentes de Junho, aparecia sempre o vento para estragar. Mas era naquela altura, depois tínhamos um Verão fantástico, dias quentes em que às 8 da manhã não corria uma aragem.
Agora que fui a Itália, reparei que em todos os dias em que lá estive, apesar de estar também frio como cá, e de até terem caído uns chuviscos em 2 dos dias, nunca houve vento. Não corria o ar frio que incomoda, que nos facilita as constipações e dores de garganta.
E isto incomoda-me muito. Acordo de manhã, e quando vou chamar o meu filho à cama e olho pela janela, vejo sempre as árvores a abanar por todo o lado. Já é normal, é o dia a dia, não há nada a fazer.
Portugal é um país de vento, e muito. Temos de nos habituar a isso, em que há dias que corre com muita força, outros em que é menos pujante, mas ele está lá, diariamente, para não nos deixar andar sem casaco, e sem uma proteção mínima para as diferenças de temperatura.
Não gosto de vento. Nunca gostei. quando era miúda dizia muitas vezes que aquilo que odiava mais na vida era ter de por supositórios (naquela época não havia o ben-u-ron ou brufen xarope assim à fartazana), e dias de chuva com vento. E este último agora persegue-me. E entristece-me, pois acaba por apagar uma das coisas que Portugal tem de melhor, que é o clima.
Raios parta para o vento!

segunda-feira, 4 de abril de 2016

Eu e a Roupa

Podia bem ser o título de um livro sobre a minha vida.
Assim à semelhança dos livros da Anita, com um relato breve sobre as minhas aventuras com a roupa, que não são poucas.
Ora vejamos os títulos possíveis:
- Eu e os montes de roupa que separo para fazer máquinas otimizadas;
- Eu a apanhar roupa da máquina (a minha máquina dá para 9 kg, pelo que pode ser mesmo muita roupa);
- Eu a estender roupa;
- Eu a virar roupa, porque em dias de chuva a humidade não deixa secar nada, pelo que às vezes é preciso lá ir dar um jeitinho;
- Eu a apanhar roupa;
- Eu a passar a roupa a ferro e a colocá-la em montinhos já divididos pelo seu respetivo dono;
- Eu a arrumar a roupa;
E por fim, podia haver um pequeno prólogo comigo a olhar novamente para o cesto de roupa já completamente cheio, depois de todo este trabalho anterior.
Que trabalho cíclico mais secante, não acham?
Reveem-se nestas minhas palavras? Acho que sim, não é minhas amigas carochinhas? Pois a parte positiva é que não estão seguramente sozinhas. Somos muitas, e acredito que todas cansadinhas de tanta roupa!


sexta-feira, 1 de abril de 2016

Conclusões sobre Itália

1. É impossível não a achar linda e encantadora, e não sair de lá com vontade de voltar e conhecer mais cidades;
2. O nível de vida parece ser semelhante ao nosso (não sei qual é a média salarial),   pois as compras que fiz no supermercado e as refeições nos restaurantes pareceram-me em conta;
3. As auto-estradas por onde passei não eram lá grande coisa e as portagens, essas sim, são caras!
4. Os italianos são mais doidos que nós a conduzir, é preciso ter cuidado, mas pouco apitam para ralhar uns com os outros;
5. Os restaurantes em sítios mais bonitos e centrais, não inflacionam muito os preços. Comer fora em Itália não fica caro;
6. Nos 6 dias em que lá estive, nunca apanhei vento, apesar do tempo frio e de alguns chuviscos. Ao contrário de Lisboa, que quase já parece Cabo Verde (sempre com vento);
7. Qualquer compra mínima que se faça, seja um souvenir num quiosque, ou um saco de laranjas na rua, levamos logo com a fatura, mesmo sem a pedir. Parecem quase desesperados por fazerem cumprir a lei (gostava que se passasse o mesmo em Portugal);
8. Apesar das resmas de turistas que têm constantemente, os empregados de restaurante mal sabem falar inglês. Por duas vezes tiveram de ir chamar um colega/dono, para perceberem o que dizíamos;
9. As gelatarias em Itália aparecem quase porta sim, porta sim, e os gelados são todos do género Santini, artesanais e deliciosos;
10. Por fim, dizer que os italianos são um povo simpático e que nos recebeu bem, e que ficámos cheios de vontade de voltar :)

quinta-feira, 31 de março de 2016

Torre de Pisa

Não estava nos meus planos ir visitá-la no meu roteiro por Itália. Mas quando começamos a planear o nosso último dia por terras italianas, vimos que as zonas que queríamos visitar se conseguiriam ver rapidamente e depois viríamos para casa arrumar as tralhas para seguir para casa no dia seguinte.
Mas uma observação mais atenta do mapa na noite anterior, fez-me ver que a cidade de Pisa ficava apenas a 1h de caminho da casa onde estávamos, e era capaz de ser boa ideia dar lá um pulito.
Não ía com grandes expectativas, que as mil e uma imagens que já tinha visto da torre inclinada não auguravam um grandioso monumento, mas lá fomos passear a mais uma cidade italiana.
Quando lá cheguei, fiquei de boca à banda!
A torre é linda, linda, linda. Branquinha, limpinha (não sei porquê, mas achava que seria escura e velha), com um aspeto maravilhoso. Aquilo estava apinhado de gente por todo o lado, de tal forma que tirar uma foto se tornou uma verdadeira aventura (a foto abaixo não é minha, que eu não consegui não colocar ninguém na foto). A catedral que fica ao lado também é muito bonita, e aquela praça é realmente maravilhosa. Ainda olhei lá para cima, e via as pessoas a visitarem a torre, mas só de pensar que aquilo podia cair, não tive coragem para querer ir lá a cima. Em boa verdade, nem passei por baixo da parte onde está mais inclinada, e que pode, um dia, vir a cair.
Posto isto, posso dizer que foi visita que realmente valeu a pena. E como nem estava planeado, acho que ainda soube melhor.
Ah, Itália, Itália. És maravilhosa.