quarta-feira, 20 de março de 2013

Vazios da vida....

Porque é que eu morro de inveja quando vejo alguém à minha volta que resolveu ter um 3º filho?
Porque é que, mesmo sabendo que não tenho capacidade psicológica para aguentar mais uma criança a berrar à minha volta, fico com uma tristeza enorme por não conseguir uma prole de 3?
Porque é que, vendo eu que já não tenho dinheiro nenhum de jeito nem com 2 filhos, fico com o beicinho caído por ver uma família com 3?
Porque é que fico com um frio no corpo, como que um vazio, cada vez que penso no assunto?
Tenho realmente muita pena. E com mais pena fico por perceber que há tanta gente, mas mesmo tanta, que consegue esta maravilhosa proeza de ter mais de 2 filhos nos dias de hoje com um Portugal tão cinzento.
Mas infelizmente, cheguei à conclusão que o melhor para todos, é mesmo não ter mais nenhum. Por muito que esta pena me vá acompanhar a vida inteira. Mas eu, como muitas mulheres, não nasci só para ser mãe. E o tempo que tenho para eles é muito pouco. A paciência é inexistente. E eu, cada vez mais, preciso de tempo para mim. Para viver.

2 comentários:

akombi disse...

Há 3 anos tentei o 3º, mais por insestencia do marido que queria tentar o menino ele que mostrou felecidade qd elas nasceram mas agora com 36 anos deu-lhe para desejar um menino, mas na 1ª eco deu aborto retido, nunca tinha ouvido falar de tal coisa foi um choque pq era um bebé programo ao contrário das minhas filhas mas tão ou mais desejado que elas, andamos 1 ano cheios de tristeza e eu com um medo terrivel e achar que se aconteceu foi um sinal, agora e msm pensado mtas vezes nesse bebé e falado tanto pelas minhas filhas sinto que se calhar não o desejei tanto e que se tivesse nascido a coisa seria diferente e estaria novamente "ceguinha" para a vida, mas agora que elas estão tão crescidas e eu a voltar a ter a minha vida sinto que estou tão bem assim, apesar da crise que não me deixa avançar no plano profissional e ainda a dedicar-me á familia e trabalho do marido volto a sentir a ter a minha vida.

E tal como tu imagino-me velhinha e a pensar neste 3º filho que nunca nasceu.

Francesca disse...

:)